Três dias para se debater as possibilidades de pensamento das catástrofes

O espetáculo Lastro, dirigido pela coreógrafa Né Barros, tem lugar no primeiro de três dias do encontro Pensamento e Catástrofes.

Nos próximos dias 18, 19 e 20 de maio, o i2ADS – Instituto de Investigação em Arte, Design e Sociedade da Faculdade de Belas-Artes, em conjunto com o IF – Instituto de Filosofia da Faculdade de Letras e o Ballleteatro, organizam o encontro Pensamento e Catástrofes – Aproximações a Jean-Luc Nancy. Ao longo de três dias, autores, filósofos e artistas reúnem-se para debater as possibilidades de pensamento das catástrofes mas, também, segundo as palavras de Jean-Luc Nancy, para enunciarem algo do “pensamento como catástrofe”.

O encontro, que se vai dividir por quatro espaços (FBAUP, FLUP, Mosteiro de São Bento da Vitória e o Museu de Arte Contemporânea de Serralves) convida à participação através da troca de experiências, projetos e reflexões da temática em discussão. O programa inclui a presença de oradores internacionais, o espetáculo Lastro da autoria de Né Barros, um concerto performance de Mário Azevedo e de António Augusto Aguiar, a projeção de dois filmes de Claire Denis e o lançamento da revista Nanocadernos e da tradução de A Declosão, um livro do filósofo francês Jean-Luc Nancy.

No primeiro dia, 18 de maio, e após a apresentação da revista Nanocadernos, uma publicação que surge associada ao evento, terá lugar, pelas 21h30, no Mosteiro de São Bento da Vitória, o espetáculo assinado pela coreógrafa e bailarina Né Barros, que é também investigadora no IF. Em Lastro, os movimentos dos corpos, juntamente com o dispositivo cénico, criam um lugar teatral em mudança e feito de memória. Uma memória “que persiste depois da catástrofe, as coisas mudaram e ficou apenas uma memória alastrada”.

Nos dois dias seguintes, o encontro Pensamento e Catástrofes – Aproximações a Jean-Luc Nancy vai dar lugar, entre outros, à inauguração da exposição Disaster Zone, da autoria das artistas Cláudia Tavares e Susana Soares Pinto e a uma conferência de Howard Caygill, professor na Kingston University (Reino Unido), subordinada ao tema Catástrofe Ambiental: Representações Culturais e Políticas. O evento termina no sábado, 20 de maio, com a exibição do filme Trouble Every Day de Claire Denis, no Auditório do Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Todos os eventos têm entrada livre, exceto o espetáculo Lastro, que tem o custo de 5 euros para o público em geral e de 3 euros para alunos.