Robin Food: uma heróica aplicação “made in” FEUP

"Robin Food" luta contra os 47kg de alimentos que cada português desperdiça anualmente.

Reaproveitar os excedentes alimentares que acabam no lixo e alimentar quem mais necessita. É este o lema da “Robin Food”, que “tira” a quem tem a mais e dá a quem quase nada tem . A aplicação, desenvolvida por uma equipa de estudantes da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), conquistou o 2º prémio no concurso de programação APPY DAY promovido pelo BPI.

Henrique, Luís, Nuno e Ricardo são estudantes do 4º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação da FEUP, todos com apenas 21 anos e com muita vontade e determinação para ganhar. Após terem vencido um concurso semelhante, o Agile Marathon, promovido pela Sonae, “Os “Bambinos” decidiram participar também no APPY DAY. Realizado no passado mês de dezembro, o desafio promovido pelo BPI consistiu numa competição de programação a nível nacional, onde os participantes foram desafiados, em 24horas non stop, a desenvolverem aplicações móveis inovadoras, estimulando o empreendedorismo  e contribuindo para a afirmação de Portugal na área da tecnologia.

Idealizada pela primeira vez numa unidade curricular do 2º semestre do ano 2012/2013, a “Robin Food” sumariza no próprio nome a sua missão: contribuir para o reaproveitamento dos excedentes alimentares que acabam no lixo e poder alimentar quem se depara com dificuldades de nutrição. A ideia é utilizar as novas tecnologias para auxiliar as instituições solidárias que já ajudam pessoas com carências alimentares. Através da aplicação, os fornecedores alimentares (restaurantes, hotéis, refeitórios, etc.) conseguem introduzir ao momento a informação sobre excedentes alimentares. Do outro lado, as organizações têm acesso a um mapa que lhes indica a localização de todos os fornecedores prontos a doar alimentos, que serão posteriormente recolhidos pelos voluntários da organização.

A participação na maratona foi mesmo 24 horas non-stop, sem dormir, com paragens apenas para os períodos de alimentação. O grupo não deixa de referir que sem os conhecimentos adquiridos na FEUP não seria possível o desenvolvimento da aplicação e a resolução dos problemas técnicos que vão surgindo. Sendo um grupo formado por quatro estudantes de informática, o grande obstáculo foi o design da aplicação.

Uma iniciativa desafiante, enriquecedora e competitiva são as palavras escolhidas pel’Os Bambinos para caracterizar o APPY DAY. Por se classificarem em 2.º lugar, arrecadaram 6.000€ em dinheiro como prémio geral e, a nível individual, cada elemento foi premiado com um smartphone com sistema operativo Windows 8, entrada no programa Apps made in Portugal da Microsoft, Hotspot 4G e anuidades Kanguru 4G 100 para cada elemento da equipa.

Se estavam à espera de ganhar? O facto de terem sido pré selecionados para participarem no dia “já foi uma vitória”. Depois disso, foram “lutando” para ser uma das 20 equipas escolhidas para apresentar a ideia, com um grande foco na divulgação de um projeto tão necessário nos tempos que correm. “Foi um evento fantástico, muito bem organizado e com constante animação. Mesmo em termos de enriquecimento curricular, a participação nestes eventos é mostra de inovação e empreendedorismo, pelo que recomendamos vivamente a que os nossos colegas participem neste tipo de iniciativas”, sugere o grupo de estudantes da FEUP.

Para o futuro, fica prometida a concretização da aplicação. “Na atual conjuntura económica existem cada vez mais pessoas com dificuldades alimentares. Ainda que com emprego e casa, existem famílias que, a cada mês, têm que escolher quais as contas que podem pagar. Ao mesmo tempo, o último estudo publicado indica que, em média, cada português desperdiça 47kg de alimentos por ano. Achamos que faz todo o sentido haver uma contribuição da tecnologia para acabar com estes flagelos”, frisam os Bambinos.