Professor da U.Porto condecorado pelo Governo Francês

Paulo Cunha e Silva é professor associado de Pensamento Contemporâneo na Faculdade de Desporto da U. Porto

Paulo Cunha e Silva é professor associado de Pensamento Contemporâneo na Faculdade de Desporto da U. Porto.

Paulo Cunha e Silva, professor da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) e atual vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto (CMP), vai ser condecorado pelo governo francês com o título de Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras, pelo papel que tem vindo a desenvolver na área da cultura.

O governo francês prepara-se para distinguir Paulo Cunha e Silva, professor da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto (FADEUP) e atual vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto (CMP), com o título de Cavaleiro da Ordem das Artes e Letras, pelo papel que este tem vindo a desenvolver na área da cultura.

Em comunicado divulgado pela CMP, Paulo Cunha e Silva começa por dividir “esta distinção com todos aqueles com quem colaborei e que comigo partilharam uma visão estratégica da importância da cultura no desenvolvimento do país”. Pelo meio, deixa um agradecimento especial à Universidade do Porto , “que permitiu que um médico e professor de Anatomia se transformasse em professor de Pensamento Contemporâneo (FADE) criando para isso uma nova regência”,

Paulo Cunha e Silva é licenciado, Mestre e Doutor em Medicina pelo instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) da U.Porto, onde foi Professor de Anatomia. Atualmente, é Professor Associado de Pensamento Contemporâneo na FADEUP.

Tendo sido um dos principais responsáveis pela programação do Porto 2001, foi considerado a “figura mais relevante” da Capital Europeia da Cultura pelo jornal Público. Foi também presidente do Instituto da Artes do Ministério da Cultura, Conselheiro Cultural da Embaixada de Portugal em Roma e Comissário de um extenso programa no âmbito de Guimarães 2012 – Capital Europeia da Cultura.

A condecoração de Paulo Cunha e Silva pelo estado francês foi decidida da 5 de maio, num documento assinado pela ministra da Cultura e da Comunicação de França, Fleur Pellerin, mas só foi comunicada no passado dia 9 de julho, através do embaixador de França em Portugal.

A cerimónia de condecoração ainda não tem data marcada.

Fonte: Porto.pt