Professor da FAUP lidera representação portuguesa na Bienal de Veneza

Nuno Brandão Costa é licenciado e doutorado pela FAUP, onde leciona a Cadeira de Projeto 4 desde 2001. (Foto: André Cepeda)

Public Without Rhetoric é o projeto selecionado para representar Portugal na 16.ª Bienal de Arquitetura de Veneza. Nuno Brandão Costa, docente e investigador da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), e Sérgio Mah propõem um percurso pelo “Edifício Público” de autoria portuguesa, através de 12 obras “criadas num momento em que a Europa Ocidental se confronta com os seus limites e possibilidades e a arquitectura acentua o seu inconformismo, reforçando o seu papel na intervenção política e social”.

“A Representação Oficial Portuguesa é, este ano, a afirmação da Arquitetura enquanto forma de celebração da experiência do espaço público e destaca a importância primordial do arquiteto na construção das vivências nas sociedades contemporâneas”, refere em comunicado de imprensa a Direção-Geral das Artes (DGARTES).

Entre as obras representadas contam-se vários projetos da autoria de professores da FAUP. É o caso do edifício do I3S, Instituto de Inovação e Investigação em Saúde, Porto, da autoria do escritório Serôdio Furtado Associados (Isabel Furtado e João Pedro Serôdio, docente na FAUP), mas também os projetos para os Molhes do Douro de Carlos Prata, o Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, Ribeira Grande de João Mendes Ribeiro e Menos é Mais (Cristina Guedes e Francisco Vieira de Campos, docente convidado da FAUP), e a Estação de Metro Município, Nápoles, de Álvaro Siza, Eduardo Souto Moura e Tiago Figueiredo.

A representação portuguesa destaca ainda os projetos para a Biblioteca Pública e Arquivo Regional de Angra do Heroísmo de Inês Lobo, o Centro de Criação Contemporânea Olivier Debré, em Tours, da autoria de Aires Mateus e Associados (Manuel Mateus e Francisco Mateus), o Centro de Visitantes da Gruta das Torres, na ilha do Pico, do escritório SAMI (Inês Vieira da Silva e Miguel Vieira), o Hangar Centro Náutico, em Montemor-o-Velho, de Miguel Figueira, o Parque Urbano de Albarquel, em Setúbal, de Ricardo Bak Gordon, os Pavilhões Expositivos Temporários, ‘Incerteza Viva: Uma exposição a partir da 32ª Bienal de São Paulo’, no Parque de Serralves na cidade do Porto dos depA (Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral), Diogo Aguiar Studio, FAHR 021.3 (Filipa Fróis Almeida e Hugo Reis), Fala Atelier (Ana Luísa Soares, Filipe Magalhães e Ahmed Belkhodja), Ottotto (Teresa Otto), o Teatro Thalia, em Lisboa, de Gonçalo Byrne e Barbas Lopes Arquitectos (Diogo Seixas Lopes e Patrícia Barbas) e o Terminal de Cruzeiros de Lisboa de João Luís Carrilho da Graça.

A Representação Oficial Portuguesa na 16.ª Bienal de Arquitetura de Veneza ficará instalada no Palazzo Giustinian Lolin, onde está sedeada a Fundação Ugo e Olga Levi, (Foto: André Cepeda)

Salomé Lamas, André Cepeda, Catarina Mourão e Nuno Cera são os artistas convidados a desenvolver filmes sobre as obras selecionadas. A inauguração oficial do pavilhão de Portugal acontece no dia 24 de maio, às 16h00, no Palazzo Giustinian Lolin.

No mesmo dia, às 17h00, é apresentado o livro que integra a exposição, uma edição de Nuno Brandão Costa e de Sérgio Mah, com parceria com a DGArtes. A publicação é editada pela Monade e a sessão de lançamento vai contar com a presença dos editores Daniela Sá e João Carmo Simões.

No âmbito do programa paralelo da representação portuguesa,  vão ter lugar no dia 25 de maio duas sessões integradas no evento Books and Talks on Architecture. A primeira, às 15h00, consiste no lançamento do livro Dueto/Duelo II – Pedro Gadanho e Paolo Rosseli – A Talk on Architecture in Photography: Photographs by Paolo Rosselli [Scopio Editions, 2018] e numa mesa redonda com Paolo Rosselli, Pedro Gadanho e Pedro Leão Neto. A segunda sessão, intitulada Building Views on Portuguese Architecture, com início às 16h00, inclui a apresentação do livro Building Views [Circo de Ideias, 2017] e um debate sobre a Arquitectura Portuguesa e a sua divulgação internacional com a participação de Ana Vaz Milheiro, Jorge Figueira, José Miguel Rodrigues, Nuno Brandão Costa, Nuno Grande e Carlos Machado e Moura.

O evento Books and Talks on Architecture vai decorrer na Sala Mezà do Palazzo Giustinian Lolin, no qual está instalada a Representação Oficial Portuguesa na 16.ª Bienal Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia, junto à Ponte da Academia e em frente ao Grande Canal em Veneza, onde está sedeada a Fundação Ugo e Olga Levi, dedicada ao ensino da música, com a qual a DGARTES estabeleceu um protocolo de utilização do espaço para o ano de 2018.

A 16.ª Exposição Internacional de Arquitetura – La Biennale di Venezia tem nesta edição como comissárias-gerais as arquitetas irlandesas Yvonne Farrel e Shelly McNamara, que escolheram o tema Freespace (espaço livre) e vai estar patente ao público de 26 de maio a 25 de novembro.

Mais informações em www.dgartes.gov.pt