Problemas globais debatidos à mesa da Academia

David Ingleby

A resposta da Europa à crise dos refugiados será um dos temas em foco na palestra de David Ingleby. (Foto: DR)

O Salão Nobre da Reitoria da Universidade do Porto vai receber, dias 15 e 16 de outubro, a partir das 17h30, duas Mesas Redondas que cruzam personalidades ligadas a áreas muito diversas. “Complexidade – Conversas Interdisciplinares” pretende criar relações entre “interdisciplinaridade e complexidade”, nomeadamente a complexidade inerente às diferentes áreas do conhecimento e aos “problemas concretos que se levantam hoje a nível global”, projeta Maria Clara Paulino, curadora e moderadora das Mesas Redondas.

No painel de intervenientes destaca-se o nome de David Ingleby, conselheiro da Comissão Europeia para as áreas migração, mobilidade e acesso.dos cidadãos à saúde. Este investigador do Centro para as Ciências Sociais e Saúde Global da Universidade de Amesterdão lidera projetos europeus relacionados com a saúde física e mental de migrantes e refugiados. A palestra, agendada para dia 16, incidirá sobre as questões que se levantam no terreno, reportando-se a situações que requerem uma colaboração interdisciplinar, transversal a todas as etapas de desenvolvimento de projetos.

À conversa com David Ingleby vai  estar Júlio Machado Vaz, médico psiquiatra e antigo estudante da Faculdade de Medicina (FMUP), Jorge Pinho de Sousa, docente da Faculdade de Engenharia (FEUP) premiado com o “MIT-Portugal Education Innovation Awards”, Laura Castro, crítica de arte e docente na área das artes da Universidade Católica do Porto, José Luís Fernandes, docente da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação (FPCEUP) e escritor.

No dia anterior, dia 15, também a partir das 17h30, a mesa redonda terá como protagonistas a escritora e docente da Faculdade de Letras (FLUP), Rosa Maria Martelo, o neurocientistaJoão Relvas, a arquiteta Matilde Seabra e o editor Paulo Ferreira.

Maria Clara Paulino, também investigadora da universidade americana de Winthrop, lançou alguns reptos aos intervenientes: Qual a necessidade, ou benefício de uma abordagem interdisciplinar? Que obstáculos se levantam e como podem ser contornados? Que transformações acarreta a nível cognitivo a mudança para um modelo interdisciplinar? Com base nestas premissas propõe-se um debate sobre a interdisciplinaridade como método cognitivo “em cada área de conhecimento, nas relações que estas estabelecem entre si e na resposta da academia a questões que se colocam a nível global”.

Dia 15, no final da Mesa Redonda, haverá uma performance artística. Com conceção e encenação de Jonathan Saldanha e Catarina Miranda, “Nexo – Soma e Investidura” contará ainda com a participação de vários bailarinos.

Recorde-se que, no âmbito do  “Complexidade – Conversas Interdisciplinares”, está patente até ao final do mês a exposição “(Des)Hemisférios”, com trabalhos de estudantes de mestrado, doutoramento e antigos estudantes da FBAUP, as “Moléculas Magníficas”, com fotografias de estudantes da FCUP, e obras cedidas pela Fundação Cupertino de Miranda, entre as quais um autorretrato de Cruzeiro Seixas. Para ver de segunda a sexta, das 10h00 às 18h00, no átrio da entrada principal da Reitoria e antiga Sala de Mineralogia.