Primeiras equipas do BIP já estão a trabalhar

A sessão de lançamento do BIP decorreu na Porto Business School.

“Este é um programa imersivo, intensivo e de muito trabalho para os modelos de negócio”. Foram estas as palavras de Maria Oliveira, coordenadora da U.Porto Inovação, durante o arranque do Business Ignition Programme, que decorreu na Porto Business School (PBS), no dia 10 maio. A partir de agora, e durante as próximas 12 semanas, os participantes vão trabalhar nas suas ideias inovadoras procurando transformá-las em modelos de negócio sustentáveis.

O auditório da PBS encheu-se para conhecer as dez ideias que começam agora a sua jornada, acompanhadas por mentores e elementos de negócio. As equipas são multidisciplinares, assim como são as ideias de negócios, que vão desde a aquaponia ornamental, passando pelo desenvolvimento de baterias, pela logística de armazenamento de alimentos ou até mesmo pelos repositórios artísticos digitais.

Agora, com a ajuda do BIP, os participantes vão tentar transformar essas invenções em soluções concretas e adaptadas ao mercado. Como referiu Vítor Vasconcelos, em representação do CIIMAR, um dos parceiros do programa, “o BIP permite ir mais além. Permite ir além dos artigos científicos”. Os participantes não podiam estar mais de acordo e as suas expectativas para o programa são elevadas e otimistas.

Além do acesso a mentores, elementos de negócio e outros recursos para as suas ideias de base tecnológica, os participantes vão também poder aplicar a metodologia Faststart sob orientação da Fábrica de Startups. Como referiu Pedro Norton de Matos, o trabalho proposto vai ser muito baseado em experimentação, exercícios práticos interativos e colaborações mútuas entre os participantes. Na sua opinião, esta metodologia é uma maneira muito eficaz “não de eliminar o risco, mas sim diminui-lo de forma significativa, maximizando as hipóteses de sucesso das startups que hoje em dia, logo à nascença, enfrentam muitas dificuldades”, conclui.

Este é um programa que envolve muitas entidades do ecossistema da Universidade do Porto, mas não só. No início da sessão, e antes mesmo de se conhecer o cronograma para os próximos meses ou até mesmo os projetos, houve espaço para apresentação dos parceiros e intervenção dos seus representantes: Carlos Brito (U.Porto), Vitor Vasconcelos (CIIMAR) e Luís Carneiro (INESC TEC) falaram em nome dos parceiros institucionais do BIP. Marlos Silva, da SONAE, em nome do parceiro industrial e Maria João Cardoso, da Fundação Amadeu Dias, instituição parceira da Universidade do Porto em várias iniciativas, e agora também no BIP. A Porto Business School, que também está associada ao projeto e onde terão lugar, inclusivamente, as doze sessões, foi representada pela dean Patrícia Teixeira Lopes.

O Business Ignition Programme é um projeto financiado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, organizado pela U.Porto Inovação, CIIMAR e INESCT TEC. O objetivo é dotar os participantes de competências relevantes para darem resposta a desafios e oportunidades no mercado. Como referiu Carlos Brito, pró-reitor para a Inovação e o Empreendedorismo, durante a abertura da sessão “programas como o BIP são maneiras muito eficazes e proactivas de transportar o conhecimento da Universidade para a indústria e para sociedade, criando valor”.