Prémio Maria Cândida da Cunha 2016 distingue alumna da FLUP

Ana Catarina Correia

Ana Catarina Correia foi distinguida em 2015 com o Prémio de Cidadania Ativa da U.Porto, na categoria Humanitária / Solidária. (Foto: Egídio Santos/U.Porto)

Ana Catarina Correiaantiga estudante da Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP), é a vencedora do Prémio de Investigação para as Ciências Sociais e Humanas – Maria Cândida da Cunha 2016, atribuído pelo Instituto Nacional para a Reabilitação, I.P. a projetos científicos de excelência nas áreas da deficiência e reabilitação.

Mestre em Sociologia pela FLUP, Ana Catarina Correia foi distinguida precisamente pela sua tese de Mestrado, intitulada «O meu corpo é público? Representações do corpo em contexto de paralisia cerebral». Orientada por Alexandra Lopes, docente do Departamento de Sociologia da FLUP, a tese premiada foi realizada durante o ano letivo 2015/2016.

Enquanto estudante da FLUP, Ana Catarina Correia destacou-se pelos esforços que desenvolveu na promoção do exercício de uma “cidadania sem barreiras” para as pessoas – em especial os estudantes – portadoras de deficiências e incapacidades no seio (mas não só) da Universidade. Em 2015, foi distinguida com o Prémio de Cidadania Ativa da Universidade Porto, na categoria Humanitária / Solidária.

Ela própria uma mulher e cidadã com paralisia cerebral, Ana Catarina coordenou o movimento de (d)Eficientes Indignados do Núcleo do Norte e encabeçou um projeto piloto destinado a promover a vida independente de estudantes com mobilidade reduzida na cidade.

O Prémio de Investigação para as Ciências Sociais e Humanas – Maria Cândida da Cunha 2016  será entregue durante a VII Gala da Inclusão que irá ter lugar no próximo dia 3 de dezembro, pelas 21h00, no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria, pelas mãos da Secretária de Estado da Inclusão das Pessoas com Deficiência.

Criado em 1995, no âmbito do Programa CITE-Ciência, Inovação e Tecnologia, o Prémio de Investigação para as Ciências Sociais e Humanas – Maria Cândida da Cunha tem como objetivos estimular e reconhecer os estudantes do ensino superior que se destaquem na produção de conhecimento sobre deficiência e reabilitação, contribuindo deste modo para desenvolvimento da informação, formação e investigação sobre aquelas temáticas . Desde a criação deste galardão, foram entregues 12 prémios e 9 menções honrosas.