Prémio Archiprix 2019 distingue estudantes da FAUP

O anúncio dos vencedores, entrega dos prémios e exposição dos trabalhos finalistas decorreu no dia 1 de junho, na Casa da Arquitectura (Foto: DR)

Os trabalhos de fim de curso realizados por Ana Filipa Dias, Ana Sofia Pinto e João Ferreira no Mestrado Integrado em Arquitetura da Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP) foram distinguidos com menções honrosas, no âmbito do Prémio Archiprix Portugal 2019.

Ana Filipa Dias apresentou o trabalho “Instrumento, processo, estratégia: Caldas do Moledo como laboratório metodológico da metamorfose do Lugar e do Tempo nas paisagens arquitetónicas do Douro”, orientado pelas docentes Carla Garrido de Oliveira e Teresa Calix. Nesta dissertação, a estudante propõe uma revisitação aos métodos contemporâneos de ver, pensar e intervir nas ‘paisagens arquitetónicas’, tendo o Douro e Caldas do Moledo como laboratório de análise.

Ana Sofia Pinto foi distinguida com a dissertação “Da Gastronomia e da Arquitetura: uma aproximação à Pastelaria”. Orientado pela docente Marta Rocha, o trabalho desenvolve uma investigação em torno do domínio gastronómico na sua relação com a produção espacial, indagando sobre o papel do paladar na produção arquitetónica.

Finalmente, João Ferreira foi distinguido pela investigação “A Ruína de hoje: Memória e Transformação. Intervenção no Convento da Madre de Deus de Monchique, no Porto”, orientada por Pedro Alarcão. De acordo com o autor, o trabalho teve como objetivo entender “como intervir em arquiteturas preexistentes” em contexto patrimonial, utilizando, para isso, um projeto hipotético para o convento da Madre de Deus de Monchique, edifício do século XVI localizado no centro histórico do Porto.

O Prémio Archiprix 2019 foi atribuído a Andriy Shulyachuk, estudante da Faculdade de Arquitectura da Universidade de Lisboa, com o trabalho “A Rua Como Elemento (Re)Estruturante na Cidade”, orientado por João Sousa Morais e Francisco Oliveira.

O júri, constituído pelos arquitetos João Nasi Pereira, Pedro Baganha, Rita Guedes, Teresa Almeida, Lígia Nunes, Guilherme Machado Vaz e João Oliveira, escolheu o projeto vencedor entre 26 trabalhos finalistas a concurso.

Sobre o Prémio Archiprix Portugal

Instituído em 2012 pela Fundação Archiprix (Roterdão) e pela Fundação Serra Henriques, o Prémio Archiprix Portugal distingue anualmente os melhores trabalhos de fim de curso de mestrado apresentados nas áreas de Arquitetura, Urbanismo e Arquitetura Paisagista. O Archiprix é um prémio de temática livre, puramente insitucional e académico que dá visibilidade à diversidade e qualidade académica da mais jovem geração de arquitetos.

O Prémio envolve de forma plural e independente a Ordem dos Arquitectos, a Trienal de Arquitectura de Lisboa, a Casa da Arquitectura, o Docomomo Internacional, as Associações de Urbanistas e Arquitectos Paisagistas Portugueses e o Corpo Docente das Instituições de Ensino de Arquitetura, Urbanismo e Arquitetura Paisagista portuguesas.

Archiprix Portugal enquadra-se na Rede Internacional Archiprix, constituída pelas iniciativas congéneres Archiprix Holanda, Espanha, Chile, Europa Central (Bósnia Herzegovina, Áustria, Hungria e Croácia), Turquia, Itália e Rússia. Faz também parte da rede Archiprix o prémio de abrangência global – Archiprix Internacional.

Mais informação em www.fa.up.pt