Vladimiro Miranda

Vladimiro Miranda, investigador e diretor do INESC TEC e Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), foi galardoado recentemente com o IEEE Renewable Energy Excellence Award 2012. O IEEE, a associação profissional de engenheiros mais importante do mundo, reconhece com este prémio as contribuições pioneiras do português ao nível da integração em larga escala de fontes renováveis em sistemas de energia elétrica pela aplicação de técnicas de inteligência computacional.

Fellow do IEEE e autor de mais de 200 publicações, Vladimiro Miranda orientou, coorientou ou cooperou na orientação de numerosas teses de doutoramento e mestrado em temas de energia com alunos de diversas regiões do mundo e em universidades em Portugal, Argentina, Bósnia, Brasil, China, Equador, Noruega ou Suécia. O diretor do INESC TEC tem desempenhado funções de consultor e avaliador de projetos na área de energia em Portugal, África do Sul, Argentina, Croácia ou Noruega, para os respetivos governos ou sistemas de supervisão do sistema científico universitário. Vladimiro Miranda é ou foi membro da comissão organizadora de vários congressos internacionais importantes na área de sistemas de energia como PMAPS, ISAP e IEEE PowerTech e preside, desde 1991, aos Encontros Luso-Afro-Brasileiros para a Energia (ELAB).

O percurso de Vladimiro Miranda começou em Portugal, passou por Macau e dá agora os primeiros passos no Brasil, com o arranque do INESC P&D Brasil em julho de 2012.

Naturalidade?

Porto.

De que mais gosta na Universidade do Porto?

Do Porto… ela é Porto, mesmo.

De que menos gosta na Universidade do Porto?

De uma certa falta de paixão pelo futuro, de uma acomodação ao cinzentismo regional.

Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto

Mais excelência e menos excelências.

Como prefere passar os tempos livres?

Criando, pensando, lendo, e também conversando, interagindo com amigos e família – e viajando.

Um livro preferido?

Obras Completas de Jorge Luis Borges” – e, se a resposta tiver que ser mais específica, o conto “As Ruínas Circulares”.

Um músico / disco preferido?

Angelo Branduardi / “Alla fiera dell’est”

Um prato preferido?

Pézinhos de coentrada.

Um filme preferido?

“2001: Odisseia no espaço”, de Stanley Kubrick

Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Descer o Colorado, subir o Amazonas e o Rio Negro.

Um objetivo de vida?

Viver e deixar viver.

Uma inspiração?

Fernando Pessoa: “Esse futuro é sermos tudo.”

Uma descoberta que gostasse de fazer?

Como viajar mais depressa que a luz.

  • Foi meu professor ainda na Rua dos Bragas e continua o mesmo, simplesmente espectacular … Boas recordações …