Tiago Lima

Quando, há quatro anos atrás, se apresentou pela primeira vez no curso de Engenharia Física da Faculdade de Ciências da U.Porto (FCUP) com a apelativa média de 18,8 valores e uma paixão pelas nanotecnologias, Tiago Lima estava longe de imaginar o que a vida lhe reservaria. Em 2012/2013, partiu para Gent (Bélgica) à procura de  “viver uma aventura no estrangeiro” no âmbito do programa Erasmus. De lá trouxe aquela que recorda como “a experiência mais marcante” da sua vida, reconhecida recentemente pela Comissão Europeia quando o escolheu para representar Portugal como “Estudante Erasmus 3 Milhões”.

Foquemos as atenções no momento em que uma “ideia gerada entre amigos” e a vontade de “abrir novos horizontes, tanto a nível profissional como pessoal” levaram Tiago Lima até à Bélgica. “Esperava conhecer um pouco mais do mundo e aprender um pouco sobre o ensino e da vida no estrangeiro”, conta, mas “sem dúvida que fui muito mais além”. Entre os passeios por Gent e as viagens que fez por Amesterdão ou Bruxelas, sobrou tempo para experimentar uma “Universidade muito boa e forte”. À experiência Erasmus  ficariam ainda ligados dois momentos : “a vontade de aprender a dançar”, que o levaram a conhecer a atual namorada; e o falecimento do pai, que acabaria por precipitar o regresso a Portugal. “Foi sem dúvidas das fases mais difíceis da minha vida e que me ajudou a crescer imenso”, lembra o estudante. Até porque na bagagem para o Porto trouxe outra certeza: “Sinto que tenho as portas para o futuro abertas e que tenho que aproveitar as oportunidades que vão surgindo”.

Foi este testemunho que a Comissão Europeia decidiu reconhecer como forma de assinalar mais uma marco histórico na vida do mais antigo programa de mobilidade no Ensino Superior. Uma distinção que o estudante recebeu com orgulho: “Ser o estudante Erasmus 3 Milhões de Portugal  ajuda-me a tornar esta experiência mais sólida e viva, deixando-me com vontade de me continuar a aventurar por esse mundo à procura das melhores oportunidades que este tem para me dar; pois elas andam aí e nós temos que as aproveitar”.

Naturalidade?

Azurara, Vila do Conde

Idade?

22 anos

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Pode parecer contraditório, pois apesar de não ser dos melhores alunos, aprecio a exigência que a Universidade do Porto exerce sobre os seus estudantes. Pelo menos no Departamento de Física da FCUP vejo que os docentes primam pela qualidade dos seus alunos; querem que sejamos os melhores naquilo que nos ensinam. E vejo que isso acontece também um pouco por toda a U.Porto que se destaca como sendo uma Universidade que prima pela excelência, e o meu pai sempre me ensinou a dar o melhor de mim em tudo o que faço.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

Da atenção que (não) dão aos estudantes. Inúmeras vezes eu e colegas meus temos problemas com serviços académicos – informações que não correm e nós estudantes somos obrigados a passar para resolver e a gastar do nosso tempo e dinheiro para resolver.

– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Tornar as várias faculdades que compõem a U.Porto. mais próximas, com menos rivalidades. Projetos, estágios, ou simples trocas de alunos de modo a minimizar as rivalidades existentes e aumentar a produtividade e cooperação.

 – Como prefere passar os tempos livres?

Com pessoas. Sempre que possível tento pegar na guitarra e juntar-me aos meus amigos e passar uma tarde agradável. Ir à praia, fazer uma sessão de exercício ao ar livre, ou simplesmente tomar um café numa esplanada são várias atividades simples que procuro para passar o meu tempo. Adoro conhecer pessoas diferentes e novas e fortalecer relações existentes.

– Um livro preferido?

Não posso dizer que tenha apenas um livro preferido pois leio vários géneros de livros. Tendo um “soft spot” por fantasia e tendo crescido com esta saga, que acho que posso dizer que marcou uma geração, gosto dos livros de “Harry Potter” escritos por J.K. Rowling.

– Um músico / disco preferido?

Red Hot Chili Peppers, “Californication”.

 – Um prato preferido?

Arroz de Cabidela.

– Um filme preferido?

“O Padrinho”.

– Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Gostaria imenso de poder visitar Nova Iorque.

– Um objetivo de vida?

Trabalhar naquilo que gosto e ter sucesso nessa área. A Física abre muitas portas, logo não posso ser muito específico ainda.

– Uma inspiração?

O meu pai. Pelas histórias de vida que me contou. Pela força que teve. Por tudo o que sofreu e viveu. Pelo como se despediu de mim.

– O Programa Erasmus numa palavra?

Oportunidade.