Nuno Carneiro

Com apenas 22 anos, Nuno Abrunhosa Carneiro exerce já o cargo de presidente do European Students of Industrial Engineering and Management (ESTIEM). Engenheiro de formação – estudante do 4º ano do Mestrado Integrado em Engenharia Industrial e Gestão (MIEIG) da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) -, Nuno sonha vir a escrever um clássico da literatura.

Enquanto presidente da ESTIEM, a principal função do PESSOAS desta semana é a coordenação estratégica da organização para garantir que a ESTIEM continue a cumprir a sua missão, de uma forma cada vez mais inovadora e adequada às tendências globais na área da Engenharia Industrial e Gestão.

“Aprender ao longo de toda a vida e continuar a encontrar novas oportunidades para criar um impacto positivo na sociedade” é o mote pelo qual se rege. Nuno admira muito a capacidade da U.Porto cumprir o objetivo de Universidade integradora pois qualquer estudante de qualquer origem social tem a possibilidade de ultrapassar barreiras e construir um futuro próprio.

– Naturalidade?

Porto

– Idade?

22 anos

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Admiro muito a capacidade da U.Porto de cumprir o seu objetivo como Universidade contribuindo para que um estudante de qualquer origem social tenha na U.Porto a hipótese de ultrapassar barreiras e construir um futuro próprio.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

Um dos principais problemas que vejo na U.Porto é a pouca orientação para um ensino pluridisciplinar adequado às tendências de polivalência exigidas pelo mercado de trabalho. Os estudantes são privados desta interdisciplinaridade devido à dificuldade em estudar em Faculdades diferentes daquela em que estão primeiramente inscritos.

Este problema é também diretamente uma consequência da dispersão geográfica da Universidade em três polos, dentro dos quais falta também organização que permita dizer que temos um campus universitário.

 – Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

A U.Porto é uma instituição de grande relevo na educação superior em Portugal e tem vindo a destacar-se como uma Universidade de notoriedade internacional. Gostaria de ver um ambiente mais internacional na U.Porto, que nos permita receber mais estudantes estrangeiros. O caminho para a excelência deve passar por focar a oferta formativa e organização no serviço aos estudantes.

– Como prefere passar os tempos livres?

Hoje, dado o meu envolvimento na ESTIEM, passo uma grande parte do meu tempo a viajar pela Europa. Construir laços com pessoas de culturas diferentes e visitar locais e sociedades com um enquadramento totalmente oposto ao nosso é uma das minhas atividades preferidas. Quando estou no Porto gosto de estar com os meus amigos,  aproveitar a nossa cidade e jogar futebol. Ler é também um dos meus passatempos preferidos.

– Um livro preferido?

Sem dúvida que o meu livro preferido é “Mensagem” de Fernando Pessoa, pela inspiração sobre Portugal que ganho sempre que o leio.

– Um músico / disco preferido?

Entre os meus preferidos estão Jamie Cullum, Herbie Hancock ou Ornatos Violeta. De todos os géneros que gosto de ouvir, o meu disco preferido é o clássico da Bossa Nova de Stan Getz e João Gilberto, “Getz/ Gilberto”.

– Um prato preferido?

Francesinha.

– Um filme preferido?

Forrest Gump (1994).

– Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Gostaria de realizar uma viagem pelo oriente para conhecer diferentes culturas na Índia, China e Sudeste Asiático.

– Um objetivo de vida?

Tenho como objetivo continuar a aprender ao longo de toda a vida e continuar a encontrar novas oportunidades para criar um impacto positivo na sociedade.

– Uma inspiração?

Nelson Mandela. Hoje que o mundo está de luto pela sua morte é importante relembrar a sua capacidade de negar a violência e nos fazer acreditar no poder de uma solução pacífica para os problemas.

– Um sonho de vida?

Como leitor ávido tenho como um sonho de vida escrever um clássico da literatura.