Luís Guimarães

Luís Guimarães

Luís Guimarães

É investigador no INESC TEC, professor auxiliar no Departamento de Engenharia e Gestão Industrial na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e cofundador da spin-off LTPlabs. Aos 29 anos, Luís Guimarães tem o dia a dia bastante preenchido mas os três papéis que desempenha em simultâneo não diminuem a qualidade do seu trabalho. Prova disso são os prémios de melhor tese de doutoramento de 2013 e 2014 (prémio entregue de dois em dois anos) e melhor artigo científico de 2015 que recebeu recentemente das mãos da Associação Portuguesa de Investigação Operacional.

Mais investigação na U.Porto é um desejo deste jovem natural de Leça da Palmeira que tem já na “calha” outro troféu. Integrado numa equipa mais vasta de investigadores do INESC TEC e professores na FEUP, é um dos finalistas do prémio Daniel H. Wagner Prize for Excellence in the Practice of Operations Research, organizado pelo Institute for Operations Research and the Management Sciences (INFORMS) nos Estados Unidos.

Naturalidade?

Leça da Palmeira.

Idade?

29 anos.

– De que mais gosta na Universidade do Porto?

Do reconhecimento que tem vindo a alcançar internacionalmente e do consequente orgulho que nos dá fazer parte dela.

– De que menos gosta na Universidade do Porto?

De alguma burocracia que se vai sentido em alguns processos, mas que compreendo que seja próprio de uma grande instituição.

– Uma ideia para melhorar a Universidade do Porto?

Fomentar mais a investigação que liga as várias faculdades e institutos de investigação. Naturalmente, isto depende também de todos nós. Potenciar a circulação dos alunos pelas várias faculdades pela escolha de disciplinas optativas seria, a meu ver, um passo importante nesta direção.

– Como prefere passar os tempos livres?

A viajar, dentro e fora de Portugal.

– Um livro preferido?

Devo confessar que as minhas leituras andam atrasadas…sempre que posso gosto de ler sobre história.

– Um músico / disco preferido?

Gosto bastante de música eletrónica, o meu DJ preferido é o Armin Van Buuren.

– Um prato preferido?

Leitão à bairrada, e claro, a comida da Mãe.

– Um filme preferido?

A vida é Bela (1999), de Roberto Benigni.

– Uma viagem de sonho (realizada ou por realizar)?

Sem dúvida que tenho de escolher o Egito. Está nos meus planos desde pequeno, mas agora a altura não é a ideal.

– Um objetivo de vida?

Conseguir concretizar algo que possa melhorar a vida das pessoas.

– Uma inspiração?

Os meus pais são uma grande inspiração pelo seu exemplo e também porque sempre me motivaram a ser melhor e a trabalhar para alcançar os objetivos. A namorada pelo exemplo de determinação e por todos os dias me incentivar, em especial quando estou em baixo. Os vários colegas com quem me cruzo na UP porque estou constantemente a aprender com eles.

– Em que medida é que a tese de doutoramento ““Advanced Production Planning in the Beverage Industry”” representa uma inovação na área da investigação operacional?

A minha tese de doutoramento é uma inovação na área da investigação operacional por constituir um contributo à resolução de problemas complexos de planeamento da produção através de métodos de otimização, ajudando assim na tomada de decisão em contexto real. A maioria dos algoritmos desenvolvidos estão hoje a ser utilizados no planeamento da produção de uma empresa portuguesa.