Leonor Castro

Desde a madrugada do passado dia 8 de setembro que a vida de Leonor Castro anda num corropio. Não só porque foi um dos quase 4 mil estudantes que garantiram uma vaga na Universidade do Porto na 1.ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, como porque fê-lo de forma… estrondosa. Afinal, não é todos os dias que se ingressa no ensino superior com uma média de 20 valores, feito que lhe valeu um lugar no curso de Direito da Faculdade de Direito (FDUP) e que rapidamente a tirou do anonimato.

Natural de Gondomar, Leonor desenhou todo o seu percurso escolar entre Gondomar e o Porto. No último ano do secundário regressou à terra natal, movida já então pelo sonho de ser procuradora. O “prestígio” da Universidade fez o resto. ” Posso dizer que fui feliz no curso em que escolhi (Humanidades) e que isso me permitiu ter motivação para lutar pelos meus objetivos. Quanto à escolha universitária, penso que optei pelo melhor possível e Direito é, sem dúvida, uma área que me cativa e intriga pela forma como pode mover perceções e consciências”, diz.

Leonor diz ter sido “muito bem recebida” na Universidade. (Fotos: DR)

Ainda a conhecer os cantos da sua nova “casa”, Leonor diz ter sido “muito bem recebida” na Universidade. Uma primeira impressão que quer continuar a confirmar nos próximos anos, que espera serem “de muito trabalho, muito estudo e de muita aprendizagem. Tenho expectativas altas quanto ao curso e apesar de saber que nem sempre será fácil, estou convicta que valerá tudo a pena e que, no final, estarei bem preparada para o mundo do trabalho. A ver vamos…”

Desengane-se porém quem pensa que a vida de Leonor se resume ao estudo. Adepta de desporto, viagens e de uma boa sessão de cinema, não dispensa um prato de bacalhau com natas, de preferência ao som de Kodaline.

Naturalidade? Gondomar

Idade? 17 anos

– O que te atraiu mais na Universidade do Porto?

Para tomar a minha decisão, o prestígio e a tradição da universidade foram determinantes. Além disso, a qualidade de ensino, a abrangência da universidade e o seu reconhecimento nunca me deixaram com dúvidas no que toca a esta escolha, a par do facto de ser perto de casa, o que, naturalmente, me ajudou a decidir.

– Qual a primeira impressão da Universidade?

Por agora, posso dizer que fui muito bem recebida, tanto na receção aos alunos, como quando fui à faculdade para me inscrever. Todos tiveram cuidado em explicar-nos as etapas de forma muito esclarecedora e estiveram a apoiar-nos em todas elas. Depois dessa pequena manhã de visita à faculdade e à AE, senti-me bastante integrada e satisfeita.

– Quais as expectativas para os anos que aí vêm?

Penso que serão anos de muito trabalho, muito estudo e de muita aprendizagem. Aliado a isso, espero ter tempo para me divertir e para aproveitar os tão famosos “melhores anos da nossa vida”. No final, saberei que vivi o espírito académico ao máximo e estarei bem preparada para o mundo lá fora, devido à excelência da formação da FDUP, mais concretamente.

– Como preferes passar os tempos livres?

Nos meus tempos livres, gosto essencialmente de praticar desporto, de sair com amigos, de ver filmes e séries, de ler e de visitar cidades e pontos turísticos. Ultimamente não o tenho feito muito, mas escrever textos e poemas é das coisas que mais gosto de fazer!

– Um livro preferido?

 O Vendedor de Passados, de José Eduardo Agualusa.

– Um disco/músico preferido?

Kodaline.

– Um prato preferido?

Bacalhau com natas.

– Um filme preferido?

“O Herói de Hacksaw Ridge” (2016), de Mel Gibson.

– Uma viagem de sonho?

Austrália e América do Sul.

– Um objetivo de vida?

O meu objetivo de vida é e sempre foi ser feliz. Se possível, tendo uma carreira de sucesso e, a par disso, conseguindo construir uma família.

– Uma inspiração?

Julgo que não tenho inspirações concretas. Todavia, movo-me por objetivos e metas traçadas, embora haja sempre pessoas do meu quotidiano que fazem a diferença e me motivam, mesmo sem se aperceberem.

– Um conselho aos novos estudantes da Universidade do Porto?

Visto que estou agora a chegar, não sou ninguém para dar conselhos, até porque não tenho como o fazer! No entanto, estou muito feliz por ser parte desta instituição e espero que este espírito envolva todos aqueles que ingressaram na Universidade do Porto, uma vez que se trata, indubitavelmente, de uma grande conquista.