O sistema mais rápido do mundo para estudos de magnetismo foi criado na FCUP

sphere - prémio miguel quesada

Hélder Crespo e Rosa Romero na entrega do prémio “Most Promising Technology” em dezembro de 2015. (Foto: Miguel Quesada / Portugal Startups)

Investigadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP) criaram o sistema “mais rápido do mundo” para estudos científicos de magnetismo, o que poderá ter um impacto significativo no desenvolvimento de materiais e tecnologias magneto-óticas, para gravação e leitura de informação a alta velocidade.

O novo sistema de laser atinge um tempo mínimo de três femtosegundos (um femtosegundo é igual a 0,000.000.000.000.001 segundos), uma “escala sem precedentes a nível mundial“, explicou Hélder Crespo, docente da FCUP e líder do Grupo de Lasers Ultrarrápidos do Instituto de Física dos Materiais da Universidade do Porto (IFIMUP-IN), em entrevista à Agência Lusa.

“A resolução temporal alcançada com o novo sistema é cerca de dez vezes superior à anteriormente obtida a nível mundial“, esclareceu o professor da FCUP, indicando que o avanço permitiu “estabelecer um novo limite para a velocidade à qual se pode modificar a magnetização de materiais diretamente com luz laser”.

As novas tecnologias de armazenamento de informação de alta capacidade e altamente compactas que nos últimos anos chegaram às mãos (e bolsos) dos consumidores estão diretamente ligadas com avanços científicos feitos na área do magnetismo. Por isso, este novo sistema poderá ser a porta de entrada para uma nova vaga de avanços que resultem num novo aumento da capacidade dos discos rígidos, por exemplo.

Vencedores iUP25k 2013

Já em 2013, a nova tecnologia de laser ultrarrápido havia garantido aos dois investigadores da FCUP o primeiro prémio da edição desse ano do iUP25k.

O sistema agora criado teve por base a tecnologia de laser ultrarrápido desenvolvida pelo próprio Hélder Crespo e por Rosa Romero, também ela investigadora da FCUP. Uma tecnologia de compressão e medida de impulsos laser ultracurtos, denominada dispersion-scan (ou d-scan), que conquistou o primeiro lugar da edição 2013 do iUP25k, o concurso de ideias de negócio da Universidade do Porto.

Depois de devidamente patenteada, a tecnologia serviu de base à criação de uma empresa spin-off da Universidade do Porto, a Sphere Ultrafast Photonics, que se dedica ao fabrico e distribuição por todo o mundo científico deste novo tipo de laser ultrarrápido e que foi já contemplada com o galardão de “Most Promising Technology” atribuído pela Portugal Startups.