Media digitais: Estudante da FEUP premiado na Suécia

Horácio Tomé Marques no momento em que recebe o prémio no Music Tech Fest Encandinavia 2015, que decorreu nos dias 29 e 30 de maio, na Suécia. (Foto:Music Tech Fest)

Horácio Tomé Marques recebeu o prémio no Music Tech Fest Encandinavia 2015, que decorreu entre 29 e 30 de maio, na Suécia. (Foto: Music Tech Fest)

Um projeto desenvolvido por Horácio Tomé Marques, estudante da Faculdade de Engenharia da Universidade Porto (FEUP), do Programa Doutoral em Media Digitais, UT Austin Portugal, foi um dos vencedores da edição deste ano dos MusicBricks Incubation Awards, entregues no passado mês de maio, na Suécia, durante o Music Tech Fest Encandinavia 2015.

O projeto FindingSomething SoundingBonding, criado e produzido por Horácio Tomé Marques, Francisco Marques Teixeira e Fanny Fazakas (Hungria) no Hackathon — uma das modalidade existentes no festival escandinavo – permitiu-lhes carimbar um Blue Vinyl Award, depois de terem criado e desenvolvido este projeto no espaço de 24 horas, respeitando uma série de parâmetros ligados à estrutura do MusicBricks.

O juri rendeu-se à peça performativa audiovisual para dois atores que expõem uma narrativa concetualmente ancorada num evento inter-relacional entre dois seres humanos (uma espécie de jogo baseado em provocação/perceção, tendo como ingredientes gestos, expressão corporal, receção/perceção/reação cerebral, iteração). Em termos de processos e tecnologias o projeto de Horácio Tomé Marques baseia-se em gestos/movimentos e potenciais elétricos do cérebro, onde um dos participantes usa vários sensores de gestos/movimentos R-IoT (IRCAM) e o outro usa um interface cérebro-computador (Emotiv).

Estes interfaces (BCI – Brain Computer Interface) são dispositivos que permitem captar os fenómenos elétricos do cérebro e, apoiados por software especializado, transcodificá-los em dados discretos (digitais). Estes podem, por sua vez, depois de tratamento — filtragem, estatística, etc. — ser usados para denotar (sistemas passivos) fenómenos como emoções, ou para controlar (sistemas ativos) eventos ou mecanismos. São, a exemplo, uma tecnologia emergente nos jogos, onde têm servido como atuadores (controlo do jogo). Ou seja permitem jogar com impulsos gerados no cérebro, em substituição (ou complemento), por exemplo, dos joysticks.

A investigação doutoral do Horácio Tomé Marques, Music, Reason and/or Emotion, substancia-se num projeto multidisciplinar que propõe representações — e.g., narrativas visuais, sonoras, multi-sensoriais — em tempo-real dos fenómenos elétricos do cérebro, através do uso de interfaces cérebro-computador (BCI). Implementa abordagens inovadoras de representação dos processos ação/percepção/reação, especialmente do rácio proporcional, entre razão e emoção no contexto das artes performativas, sobretudo da música. É um projeto-investigação artístico, mas fortemente fundamentado por quadros de referência teórica e experiências nas áreas das neurociências, neurotecnologia e ciências da computação.

O projeto do investigador portuense foi apresentado e premiado durante o Music Tech Fest Encandinavia 2015, que decorreu nos dias 29 e 30 de maio, na Suécia.Na sequência desta performance vencedora, o estudante de doutoramento da FEUP foi convidado a participar e apresentar, juntamente com os seus colegas, o desenvolvimento do projeto no próximo Music Tech Fest, que vai decorrer em setembro, na cidade de Liubliana, na Eslovénia.

Sobre os MusicBricks

Os prémios de incubação MusicBricks são incentivos à continuidade de investigação e desenvolvimento, configurados por bolsas de 3.000 euros que premeiam projectos inovadores, bem fundamentados, que denotem um histórico de investigação e que têm um claro potencial de evolução futura e venham a ter impacto efectivo nos campos das artes, ciência e tecnologia.