Laboratórios da FEUP inspiram residência artística

foto_3_300_200O Comissariado Cultural da Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP) promove esta quinta-feira, 24 de novembro, uma sessão de apresentação pública do projeto “A circulação das técnicas (micro-coreografias em laboratório)”, desenvolvido por Joclécio Azevedo. A apresentação tem início às 18h00 na entrada principal da faculdade. A entrada é livre.

O projeto desenvolveu-se em torno de uma residência artística realizada entre maio e novembro de 2016, tendo posteriormente evoluído através de um laboratório de performance realizado igualmente em novembro. Sendo a FEUP uma instituição onde estão instalados à volta de 261 laboratórios destinados à investigação e ao ensino, “pareceu-me pertinente interrogar, neste contexto, o laboratório enquanto lugar de trabalho, de produção de conhecimento e de observação especializada”, explica Joclécio Azevedo.

Os laboratórios fazem parte do imaginário coletivo como lugares onde se operam transformações, sendo frequentemente retratados pelo cinema ou pela literatura, por exemplo. Surgem-nos muitas vezes como zonas de acesso restrito, como um espaço para iniciados. Entretanto os laboratórios existem nos mais diversificados domínios tanto científicos como também artísticos. Embora muitas vezes constituídos como experiências temporárias, é uma prática recorrente a realização de laboratórios ligados à coreografia, à dramaturgia, à composição sonora, etc. É interessante observar que a mesma palavra (laboratório) aplica-se às mais diversas configurações e às mais diversas técnicas: da revelação de imagens fotográficas à identificação de micro organismos e patologias, da experimentação de materiais de construção ao desenvolvimento de instrumentos, da criação de software à análise de dados sobre o universo, do desenvolvimento da consciência do corpo ao desenvolvimento da escrita. Este projeto situa-se entre as tensões que emergem das tentativas de caracterizar e de problematizar o que pode ser e como pode funcionar um laboratório.

Na opinião de Joclécio  Azevedo “realizamos esta apresentação pública não como conclusão do projeto (este continuará sempre inacabado), mas como um dos roteiros possíveis para uma série de  relações acidentais que foram acontecendo ao longo do tempo, algumas delas, mesmo não tendo resultado em colaborações efetivas, alimentaram a reflexão e deram energia ao processo de trabalho”. Ensaiamos aqui um exercício de “ficção científica” onde, neste caso, a engenharia civil se cruza com o imaginário cinematográfico, a investigação museológica faz-se numa garagem e as fronteiras disciplinares esmorecem temporariamente para entrever outras formas de encontrar sentido no que fazemos.

Com uma duração prevista de cerca de uma hora, a apresentação de “A circulação das técnicas (micro-coreografias em laboratório)” vai incluir passagens pelos laboratórios de Acústica, de Estruturas e de materiais e pela Garagem da FEUP, e será pontuada por momentos de performance, vídeo e pelas intervenções de vários docentes e ivnestigadores da FEUP. O programa completo pode ser consultado aqui.