Jovem investigadora do i3S premiada por trabalho de excelência em Genética Humana

Ana Rita Matos acaba de defender o mestrado em Medicina e Oncologia Molecular na Faculdade de Medicina da U.Porto. (Foto: DR)

A investigadora Ana Rita Matos, do Instituto de Investigação e Inovação em Saúda da Universidade do Porto (i3S) foi recentemente distinguida na 22.ª Reunião Anual da Sociedade Portuguesa de Genética Humana (SPGH) com o prémio «Bolsa ESHG National Fellowship 2018» pela sua apresentação sobre «Intronic cis-regulatory elements regulate CDH1 gene expression and function».

A bolsa ESHG National Fellowship é da responsabilidade da Sociedade Europeia de Genética Humana, sendo atribuída anualmente a um investigador com menos de 35 anos, que seja membro da SPGH, e que se tenha distinguido pelo trabalho de excelência desenvolvido na área de genética humana. Este prémio financia o registo, viagens e alojamento na próxima reunião da ESHG, que decorrerá em Gotemburgo na Suécia em junho de 2019, para apresentação do trabalho.

Ana Rita Matos, que acaba de defender o seu mestrado em Medicina e Oncologia Molecular na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), desenvolveu a sua investigação no grupo do i3S «Expression Regulation in Cancer», sob a orientação de Carla Oliveira e Anabela Ferro. O trabalho teve como objetivo desvendar o papel de elementos cis-regulatórios intrónicos na regulação da expressão do gene CDH1, uma vez que as alterações nos exões deste gene não explicam todos os fenótipos de perda de função do gene.

Para a jovem investigadora, receber esta bolsa na 22.ª Reunião anual da SPGH representa «uma enorme honra». «É, sem dúvida, um estímulo para o meu desenvolvimento pessoal e científico, por isso, agradeço à ESGH a atribuição deste prémio, assim como à comissão científica da SPGH por me ter selecionado», acrescenta.

A autora sénior do trabalho, Carla Oliveira, salienta a importância de premiar um trabalho novo e que envolve uma grande equipa de investigadores, para além da «mestria e motivação que a Rita demonstrou na apresentação, que lhe saiu francamente bem!». «É excelente ter um jovem investigador a representar o nosso grupo e o nosso trabalho na ESHG», sublinha ainda.