José António Bandeirinha na Conferência Marques da Silva 2014

FAUP (edifício)

A Conferências acontece no Auditório Fernando Távora, na FAUP.

A oitava edição das Conferências Marques da Silva, uma iniciativa anual da Fundação Marques da Silva (FIMS), em parceria com a Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto (FAUP), acontece no dia 23 de outubro, às 18h30, no Auditório Fernando Távora.

“Arquitectura, a Praça da Autonomia e o Boulevard da Epistemologia” será o tema abordado pelo arquiteto e professor José António Bandeirinha. Na ocasião, o professor irá refletir sobre as bases da autonomia da arquitetura, convocando, para esse fim, argumentos de ordem histórica que possam ajudar a perspectivar o entendimento da sua circunstância contemporânea.

José António Bandeirinha é arquiteto pela Escola Superior de Belas-Artes do Porto, antecessora da FAUP. Exerce profissionalmente e é professor associado do Departamento de Arquitectura da Universidade de Coimbra, onde se doutorou em 2002. Tomando como referência central a arquitetura e a organização do espaço, tem vindo a dedicar-se ao estudo de diversos temas ligados à cidade, habitação, teatro e cultura. Publica regularmente e é autor de diversos livros e de algumas dezenas de artigos.

Foi presidente da Comissão Científica do Departamento de Arquitetura, Pró-Reitor para a Cultura e Diretor do Colégio das Artes da Universidade de Coimbra. Atualmente é investigador do Centro de Estudos Sociais.

A entrada é livre.

Sobre a FIMS

A Fundação Instituto Arquitecto José Marques da Silva (FIMS) foi instituída pela Universidade do Porto a partir do legado testamentário da arquiteta Maria José Marques da Silva e visa a promoção científica, cultural, formativa e artística, designadamente a classificação, preservação, conservação, investigação, estudo e divulgação de todo o património artístico e arquitetónico do arquiteto José Marques da Silva e, ainda, o acervo literário, artístico, arquitetónico e urbanístico dos arquitetos Maria José Marques da Silva Martins e David Moreira da Silva, bem como, complementarmente, o acolhimento ou incorporação de outros fundos ou unidades documentais de valor patrimonial, histórico, científico, artístico ou documental relativos, preferencialmente, à arquitetura e ao urbanismo portuense e português.