COHiTEC: Investigadores da U.Porto na rota do empreendedorismo

A equipa +CHEM (FEUP) participou no COHiTEC com duas ideias que prometem inovar nas áreas da produção de aditivos para diesel e do marketing olfactivo. (Foto: COTEC Portugal)

Uma tecnologia que permite produzir biodiesel low cost de alta qualidade, um software que “escolhe” o melhor aroma para promover uma marca e uma solução que abre portas ao desenvolvimento de aplicações médicas através da nanotecnologia. Ao longo do último ano, estes foram algumas das inovações “made in U.Porto” que evoluíram na edição 2013 do Programa COHiTEC, uma iniciativa da COTEC Portugal –  Associação Empresarial para a Inovação que visa avaliar o potencial comercial de tecnologias desenvolvidas em instituições de I&D nacionais.

No total, a edição deste ano – a maior de sempre – envolveu 17 projetos de negócio de base tecnológica liderados por equipas de investigadores de 14 instituições de I&D nacionais em áreas tão distintas como as tecnologias da informação, as engenharias química, de materiais e mecânica e a biotecnologia. Ideias que, durante quatro meses, foram avaliadas e testadas por equipas multidisciplinares de investigadores (proponentes das tecnologias) e estudantes de gestão e executivos (que apoiam o processo de comercialização), tendo em conta a recetividade e rentabilidade que poderão obter no mercado enquanto projetos de negócios.

A 2NANO (FEUP) quer otimizar o desenvolvimento de aplicações médicas através da nanotecnologia. (Foto: COTEC Portugal)

Das ideias geradas na U.Porto que chegaram à fase final do programa, começam por se destacar-se as três nascidas na Faculdade de Engenharia (FEUP), única instituição nacional que participou com mais do que uma equipa. Entre elas está uma tecnologia – já patenteada e premiada em vários concursos de tecnologia – desenvolvida pela equipa +CHEM, que permite criar aditivos para  diesel mais ecológicos e baratos  a partir de químicos de origem renovável. A mesma equipa está também por detrás do Fragrance Radar, um projeto inovador direcionado para a área do marketing olfactivo, através do qual uma marca estabelecida ou em crescimento no mercado pode associar a sua identidade a  novas fragrâncias com elevada performance.

Também origem na FEUP tem o projeto da equipa 2NANO, cuja inovação passa por introduzir os conceitos da nanotecnologia na produção de partículas de alta performance e qualidade desenhadas à medida para aplicações médicas. A meta passa por desenvolver e criar nano-partículas que se demarquem dentro da indústria farmacêutica pela sua dimensão, variação, biocompatibilidade e escalabilidade.

A Catalvalor (FCUP) desenvolveu uma tecnologia capaz de produzir biodiesel de alta qualidade a um preço competitivo. (Foto: COTEC Portugal)

Da Faculdade de Ciências (FCUP) “chega” por sua vez a solução encontrada pela Catalvalor para produzir biodiesel de alta qualidade a um preço competitivo. Trata-se de um o catalisador sólido que promete ser masi eficaz na conversão de uma grande variedade de matérias-primas em biodiesel, com rendimento superior a 95%, eliminando ao mesmo tempo o uso de químicos perigosos e a produção de águas residuais.

Eficiência é também a palavras chave para a ASPiRE, equipa sediada no Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC) que se propõe a aplicar os conhecimentos da biotecnologia ao desenvolvimento de novos fármacos mais puros e mais baratos. A liderar a equipa estão três investigadores da U.Porto, para quem o COHiTEC surgiu como “a oportunidade ideal para explorar o potencial de uma ideia” confinada até agora aos laboratórios de investigação.

Nota final para a Dependableware, uma spin-off criada por investigadores do HASLab – Laboratório de Software Confiável, Parceiro Privilegiado do INESC TEC sediado na Universidade do Minho, que se apresentou no programa com um software de gestão de bases de dados – o HeveaDB  – mais flexível, confiável, escalável e rentável do que os atualmente existentes no mercado. “O contacto estabelecido até agora com o mercado deixa-nos otimistas quanto à adequação do nosso produto às necessidades das empresas, pelo que procuraremos adquirir clientes nacionais de referência que nos permitam alavancar a exploração do mercado internacional”, revela o CEO e investigador do HASLab Miguel Matos.

Das seis ideias saídas dos laboratórios da academia portuense pretende-se agora que resultem projetos de negócio com potencial para se afirmarem no mercado. “A grande mais-valia desta ação de formação [COHiTEC ] é a de contribuir para induzir competências na área de comercialização de tecnologia nos participantes utilizando projectos reais propostos pelos investigadores. Adicionalmente, o COHiTEC permite ajudar os investigadores a definir,  a partir das características únicas das tecnologias, o produto ou serviço com maior potencial de mercado”, realça Pedro Vilarinho, Diretor da área de Valorização de Conhecimento da COTEC.

 Sobre o COHiTEC

Criado em 2004, o Programa COHiTEC é uma iniciativa da COTEC Portugal orientada para o  desenvolvimento de projetos de negócio a partir de ideias de base tecnológica  nascidas nas instituições de I&D portuguesas. O Programa conta com o apoio da FLAD – Fundação Luso-Americana para o Desenvolvimento e é realizado em parceria com o Centro HiTEC da North Carolina State University, a Brown University, a Porto Business School e o INDEG-IUL ISCTE Executive Education.