Investigador do IBMC vence Prémio Fundação Eng. António de Almeida

Filipe Pinto

Filipe Pinto, o investigador vencedor do Prémio Fundação Eng. António de Almeida 2014.

Filipe Pinto, investigador do Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), foi o vencedor do Prémio Fundação Eng. António de Almeida para melhor tese de Doutoramento obtida na Faculdade de Ciência da U.Porto (FCUP), na categoria de Ciências da Vida, Ciências Agrárias e Arquitectura Paisagística.

O prémio, no valor de 3.000 euros, é concedido à tese que revele maior criatividade científica, com evidente impacto junto da comunidade científica e demonstrável valor social e económico resultante da eventual translação da investigação.

A tese de Filipe Pinto, intitulada, intitulada “Design and engineering of a cyanobacterial photoautorophic chassis and parts for Synthetic Biology applications”, mereceu a distinção pelo seu carácter inovador e potenciais benefícios para a sociedade.

Um dos mais importantes contributos de Filipe Pinto foi demonstrar o potencial da Synechocystis como chassis para a biologia sintética. Esta área do saber, actualmente em grande desenvolvimento, visa a “montagem” de novos seres vivos, com funções muito específicas, a partir de “peças” moleculares criadas de novo ou retiradas de outros seres. Para isso recorre a organismos muito simples como é o caso da Synechocystis sp., uma cianobactéria, ou seja, um ser procarionte capaz de fazer fotossíntese, nada exigente em termos nutricionais e com elevada plasticidade metabólica.

Filipe Pinto desenvolveu, durante o doutoramento, uma série de mutantes de Synechocystis preparados para receber módulos moleculares sintéticos, bem como produziu as ferramentas para integrar novos módulos no genoma do organismo. Dito de outra forma, preparou um conjunto de “carroçarias” (os mutantes de Synechocystis), um conjunto de “peças” para construir novas maquinarias moleculares, e as ferramentas para fazer encaixar essas “peças” de forma funcional. A ideia global é contribuir para o grande armazém de “peças, carroçarias e ferramentas” que consórcios internacionais estão acumular para que, em breve, seja possível criar novas máquinas biológicas sempre que seja necessário produzir algo de novo. No caso da equipa onde Filipe Pinto trabalha, liderada por Paula Tamagnini, o objectivo é produzir hidrogénio para biofuel.

Fundação Eng. António de Almeida foi instituída pelo próprio Eng. António de Almeida aquando da elaboração do seu testamento e foi reconhecida oficialmente em 1969, menos de um ano após o seu falecimento. Com o objectivo de apoiar acções culturais, educativas e beneméritas, a Fundação tem vindo, ao longo dos anos, a organizar conferências, recitais, exposições e outras formas de intervenção artística, contando com a participação de artistas e pensadores portugueses e estrangeiros. Além do contributo para as artes, a Fundação tem ainda procurado premiar o mérito, esfera de acção em que se enquadra este Prémio.

No ano passado, a área científica em foco foram as Ciências Físicas e em 2015 será atribuído o prémio de melhor tese de Doutoramento em Matemática, Estatística ou Informática.