Investigador do i3S identifica novas terapias contra leucemia

Nuno Rodrigues dos Santos é investigador principal no i3S desde março de 2016. (Foto: i3S)

No âmbito de uma colaboração com grupos de investigação franceses, o investigador Nuno Rodrigues dos Santos, atualmente no Instituto de Investigação e Inovação em Saúde da Universidade do Porto (i3S), descobriu que a estimulação do TCR, um recetor específico dos linfócitos T, leva à morte dos linfócitos T leucémicos. Esta descoberta abre assim caminho para uma nova terapêutica para este tipo de leucemia, principalmente para as que não respondem às terapias já existentes.

As leucemias agudas de linfócitos T são doenças malignas que afetam maioritariamente crianças e adolescentes, mas também adultos. A maioria dos casos infantis são curados por quimioterapia, mas uma percentagem significativa destes e a maioria dos pacientes adultos não responde ao tratamento, sofre recidiva, e eventualmente sucumbe à doença. Por esta razão é importante a identificação de terapias alternativas ou complementares às existentes, especialmente terapias dirigidas para o tratamento de certos grupos de pacientes.

O trabalho do investigador, já publicado na revista científica internacional Cancer Discovery, incidiu sobre o recetor TCR que se encontra em todos os linfócitos T e é essencial para estes reconhecerem organismos invasores e desencadear uma resposta imunitária. Numa situação normal, quando o TCR é estimulado, o linfócito T reage multiplicando-se e iniciando a resposta imunológica. No entanto, verificaram os investigadores, quando se estimula o TCR num linfócito leucémico a resposta é diferente, em vez de multiplicarem os linfócitos T estimulados morrem.

Os investigadores começaram por estudar ratinhos de laboratório com leucemia, tendo assim descoberto que a estimulação do TCR, seja através de um antigénio, seja inoculando um anticorpo monoclonal específico, curava ou prolongava o tempo de vida daqueles. «Verificámos que a estimulação do TCR, através da administração de um anticorpo específico, levava à morte de células leucémicas humanas em experiências de cultura celular e à regressão da leucemia em ratinhos imunodeficientes transplantados com leucemias humanas», explica Nuno Rodrigues dos Santos. O recetor TCR constitui, portanto, um calcanhar de Aquiles na leucemia aguda de linfócitos T que deverá ser explorado terapeuticamente para o tratamento de doentes que não respondem às terapias convencionais.

Nuno Rodrigues dos Santos é investigador principal no i3S desde março de 2016. Iniciou a carreira de investigação em cancro no Ipatimup, tendo depois feito o doutoramento em Nimega, na Holanda. Desde o seu trabalho pós-doutoral no Institut Curie em Paris que se tem dedicado ao estudo dos mecanismos envolvidos no desenvovimento de leucemia de linfócitos T. Em 2008 iniciou o seu laboratório no Centro de Investigação em Biomedicina (CBMR) na Universidade do Algarve, onde foram realizadas as experiências agora publicadas.