INESC TEC testa tecnologias de robótica inovadoras em ambiente marítimo

rex 2014

Tecnologias tstadas abrangem áreas tão variadas como a defesa, segurança, busca e salvamento, vigilância e a monitorização marítima.

O INESC TEC participou nos REX2014 – Robotics Exercises 2014, que decorreram entre 30 de junho e 4 de julho,  na Base Naval de Lisboa (Alfeite/Almada). À semelhança de anos anteriores, a iniciativa serviu para teste e demonstração de tecnologias de robótica (e áreas afins) para operações em ambiente aquático em áreas de defesa, segurança, busca e salvamento, vigilância ou monitorização marítima.

Este ano os exercícios incidiram sobretudo na preparação do cenário de demonstração final em ambiente marítimo do projeto europeu ICARUS (Integrated Components for Assisted Rescue and Unmanned Search operations), que terá lugar no próximo ano no Arsenal do Alfeite. O INESC TEC, em colaboração com a Marinha Portuguesa, é neste projeto responsável pelo desenvolvimento e integração de tecnologias robóticas para o salvamento marítimo, nomeadamente através de cápsulas robotizadas de salvamento, sistemas de deteção de náufragos e de navegação de veículos robóticos de superfície.

Além do projeto ICARUS, foram testadas e demonstradas outras tecnologias que envolvem o INESC TEC. Entre estas contam-se veículos robóticos aéreos, de superfície e subaquáticos; tecnologias para navegação, deteção de obstáculos, mapeamento ambiental, deteção de vítimas na água; sistema de posicionamento subaquático, deteção de fontes acústicas submersas, filmagem automática subaquática, comunicações rádio subaquáticas e à superfície; sistemas de comando e controlo para veículos robóticos.

A iniciativa teve o apoio dos projetos ICARUS e Mission Planing (EDA) e enquadra-se na atividade do INESC TEC na área do mar, em particular através da plataforma multidisciplinar TEC4SEA, de desenvolvimento de atividades de I&D e teste de tecnologias e soluções robóticas para o mar, telecomunicações e sensores para monitorização e operação no oceano. Organizado pelo CINAV – Centro de Investigação da Marinha Portuguesa, em colaboração com o INESC TEC, o exercício contou ainda com a participação de equipas de outras universidades e empresas tecnológicas.