INESC TEC contribui para projetar a “Loja do Futuro”

"Espelho mágico" permite a prova virtual de roupa. (Créditos fotos: CITEVE).

Um “espelho mágico” permite a prova virtual de roupa. (Foto: CITEVE).

E se fosse possível experimentar roupa numa loja sem ser necessário despir-se e vestir-se? Ou usufruir de um assistente virtual que lhe desse indicações sobre as peças que mais se ajustam ao seu perfil? Graças ao “Smart Fitting Room” estas funcionalidades já existem. Integrado no conceito de “Loja do Futuro”, o projeto contou com o contributo do INESC TEC e deu origem a diversas ferramentas que enriquecem a experiência de compra do utilizador, sem perder de vista o impacto económico.

A tecnologia “Smart Fitting Room” possui diversas funcionalidades, apresentando vantagens tanto para a empresa como para o cliente:. Para além de um assistente virtual, o utilziador pode navegar pelo catálogo da loja ou fazer uma prova virtual de roupa. A plataforma permite ainda a customização da interface, a integração com redes sociais ou a integração com ERP (sistema de informação que integra todos os dados e processos de uma organização).

Uma das bandeiras do novo sistema é o “espelho mágico”, que permite a prova virtual de roupa. Assente nas últimas tecnologias de visão por computador e computação gráfica este espelho possibilita a interação homem-máquina, com recurso apenas a gestos com os braços.

O INESC TEC foi uma das instituições que trabalhou no desenvolvimento da “Loja do Futuro”, nomeadamente na gestão inteligente do ponto de venda. Este sistema permite ao gestor de loja ter uma visão em “tempo real” do que está a acontecer na loja, mas também aceder a um conjunto de indicadores de negócio que apoiam a tomada de decisão na definição das novas coleções.

O contributo do INESC TEC verificou-se também ao nível do sistema de interoperabilidade – plataforma responsável pela troca de informação entre os diversos sistemas que compõem a “Loja do Futuro”. Esta plataforma deteta, por exemplo, a entrada e saída de cliente na loja ou provador, ou o movimento de peça das diferentes estantes inteligentes na loja.

O projeto foi liderado pelo Centro de Computação Gráfica (CCG) da Universidade do Minho e promovido pelo Centro Tecnológico Têxtil e Vestuário (CITEVE). Contou ainda com a colaboração da Ubisign, Creative Systems e Tetribérica. Foi desenvolvido no âmbito do programa de ação do Polo de Competitividade da Moda – PT21 Power Textile Século XXI, com financiamento do COMPETE, QREN e União Europeia.