I3S: Universidade formaliza consórcio de “super-centro” de investigação

Primeira pedra do fuuro edifício do I3S, na Asprela, foi lançada no passado dia 4 de abril.

Depois do lançamento da primeira pedra daquele que será o novo “super-centro” de investigação científica  na área da saúde, a Universidade do Porto assina esta terça-feira, dia 15 de maio, o contrato de consórcio que vai formalizar os modos de cooperação entre si e o Instituto de Biologia Molecular e Celular (IBMC), o Instituto de Engenharia Biomédica (INEB) e o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular (IPATIMUP), no âmbito do I3s.

Este contrato do consórcio sublinha a vontade da Universidade do Porto de consolidar e dinamizar relações de proximidade entre as várias unidades de I&D+I (Investigação, desenvolvimento e inovação), promovendo a otimização de recursos e aumentando a capacidade de captação de financiamentos. Outro dos objetivos reconhecidos no contrato é a utilização desta parceria para reforçar e consolidar a oferta de formação avançada na área da saúde e a exploração de sinergias resultantes desta concertação, abrindo também portas para a colaboração de outras unidadesde investigação e faculdades da Universidade do Porto.

No texto, é ainda estabelecida a forma de organização de vários órgãos do consórcio, tais como o Conselho Estratégico e o Conselho de Gestão e Organização.

A ter lugar na Sala do Conselho da Reitoria da U.Porto, a cerimónia decorre às 11 horas, e contará com a presença dos representantes dos três centros de investigação e do Reitor, José Carlos Marques dos Santos.

A assinatura é então mais um passo em frente para a concretização daquele que promete ser um dos mais avançados  e produtivos centros de investigação na área da saúde em Portugal. O I3S vai reunir numa primeira fase mais de 700 colaboradores oriundos dos três institutos fundadores, dos quais 250 serão investigadores doutorados, e pretende centrar a sua atividade no desenvolvimento de respostas a alguns dos maiores desafios de áreas chave da saúde: as doenças neurodegenerativas, o cancro, as doenças infecciosas e a medicina regenerativa.

O projeto da sede do I3S  contempla a construção de um novo edifício com 14 mil metros quadrados, inteiramente dedicado a laboratórios e serviços de investigação, no Polo da Asprela. A empreitada de construção e de equipamento está orçamentada em 21,5 milhões de euros, dos quais 18.2 milhões serão financiados por fundos comunitários no âmbito do Programa Operacional Regional do Norte, o “ON.2 – O Novo Norte”.

  • jorge Silva

    e não se esqueçam de uma área chave da saúde: genética!