História das farmacopeias portuguesas revisitada na Biblioteca ICBAS/FFUP

Exposição reúne vários exemplares representativos das farmacopeias portuguesas, pertencentes ao fundo documental da Faculdade de Farmácia da U.Porto. (Foto: DR)

Vai ser inaugurada, no próximo dia 29 de novembro, na Biblioteca do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS) e da Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto (FFUP), uma exposição conjunta subordinada ao tema “As Farmacopeias Portuguesas Não Oficiais (1704-1834) e Oficiais (1794-2008)”, através da qual se pretende mostrar ao público a evolução das farmacopeias portuguesas ao longo do tempo, desde o início do séc. XVIII até ao presente.

Ao longo da história de Portugal têm sido publicadas várias farmacopeias, de índole não oficial e oficial, com importância primordial nas áreas da Farmácia, Medicina e Saúde Pública. Atualmente, as farmacopeias são livros oficiais – com valor vinculativo na legislação do medicamento -, elaborados por uma comissão técnica especializada, que acompanham a evolução cientifica e tecnológica dos conhecimentos ligados aos medicamentos, garantindo a atualização da sua qualidade e salvaguardando a Saúde Pública.

É essa evolução que é mostrada numa exposição que reúne alguns exemplares representativos das farmacopeias portuguesas não oficiais, bem como exemplares de todas as farmacopeias portuguesas oficiais, pertencentes ao fundo documental da Faculdade de Farmácia da U.Porto.

O programa da inauguração tem início às 10h00, no Salão Nobre do Complexo ICBAS/FFUP. A abertura da exposição propriamente dita está marcada para as 12h00, na Biblioteca ICBAS/FFUP,

Com entrada livre, a exposição “As Farmacopeias Portuguesas Não Oficiais (1704-1834) e Oficiais (1794-2008)” poderá ser visitada na Biblioteca ICBAS/FFUP até 1 de março de 2019, de segunda a sexta-feira, das 9h00 às 18h00.