Gordura corporal é fator de risco no aparecimento de cancro da pele

Evitar a exposição ao sol nas horas de maior radiação e usar proteção solar regularmente continuam a ser as principais formas de prevenir o melanoma. (Foto: DR)

As pessoas que apresentam níveis de gordura corporal mais elevados correm um risco maior de desenvolvimento de cancro da pele. Esta é a principal conclusão de um estudo realizado na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP).

“As moléculas produzidas pelas células responsáveis pelo armazenamento da gordura, quando em contacto com as células tumorais do melanoma, tornam o tumor mais agressivo, permitindo que adira mais facilmente à superfície de outros órgãos”, explica Pedro Coelho, investigador da FMUP que desenvolveu este estudo, no âmbito do seu doutoramento em Metabolismo – Clínica e Experimentação da FMUP.

Recorrendo a modelos in vitro e in vivo, Pedro Coelho concluiu, ainda, que os elevados níveis de gordura corporal têm um efeito negativo na renovação das células, processo essencial para a eliminação de células “defeituosas”. “Nestas situações o tratamento também pode ficar comprometido, uma vez que a presença destas moléculas no organismo torna as células cancerígenas mais resistentes a tratamentos de radioterapia”, acrescenta o investigador.

Para o investigador, o próximo passo passa por analisar quais alterações produzidas nos melanomas e de que forma a controlar ou bloquear esse processo, evitando assim que a doença se torne resistente ao tratamento. Este estudo contou com a colaboração de profissionais da Escola Superior de Saúde do Politécnico do Porto (ESS-P.Porto) e do Serviço de Radioterapia do Hospital de São João, do Porto.