Gerir energia através de inteligência computacional

n|Ð

A conferência ISAP pretende discutir a aplicação de ferramentas inteligentes à rede de sistemas de energia.

O INESC TEC organiza entre 11 e 17 de setembro, na Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), o ISAP (Intelligent Systems Applications to Power Systems, Conference and Debate). Especialistas norte-americanos, japoneses, brasileiros, sauditas, alemães, italianos, ingleses, entre outros, vão juntar-se aos peritos nacionais para solucionar problemas e dar origem a uma fertilização cruzada entre as duas comunidades, a dos sistemas de energia e a dos sistemas inteligentes.

Gerir energia através de inteligência computacional, como se de um cérebro humano se tratasse. É este o objetivo que Portugal pretende atingir a prazo. Apesar de pioneiro em várias soluções energéticas, tais como as smart grids ou a integração em larga escala de energias renováveis sem prejuízo da segurança do abastecimento, o nosso país enfrenta alguns problemas como a segurança/cibersegurança ou o big data nas questões relacionadas com as comunicações energéticas.

É por essa razão, e por acreditarem que as arquiteturas cognitivas, como as do cérebro humano, são úteis para aplicações em sistemas de energia, que a cidade do Porto vai receber cerca de 100 especialistas, nacionais e internacionais, reconhecidos mundialmente nas áreas da energia e dos sistemas inteligentes.

O debate pretende, em primeiro lugar, discutir se as ferramentas inteligentes na área dos sistemas de inteligentes são um objetivo, um utensílio, uma visão ou um sonho e depois gerar soluções a aplicar em Portugal e a exportar para o resto do mundo através de empresas.

De acordo com Vladimiro Miranda, administrador do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), docente na FEUP e chairman do ISAP, Portugal está na linha da frente em termos energéticos. “Muitos dos conceitos que desenvolvemos no nosso país há vários anos, como por exemplo as redes inteligentes, estão agora a ser replicados em projetos europeus. Um exemplo é o conceito de Energy Box e a forma como foi implementada em Évora pela EDP”, explica o administrador do INESC TEC.

O convidado de honra deste debate é José Carlos Príncipe, um dos líderes mundiais na área da Neuroengenharia Computacional, distinguido como Fellow do IEEE (o mais alto grau profissional conferido no mundo por esta instituição norte-americana), professor na Universidade da Flórida e fundador do Laboratório de Neuroengenharia Computacional, que no dia 14 de setembro, segunda-feira, vai abrir o mote para a discussão com a provocação “São as arquiteturas cognitivas úteis para aplicações em sistemas de energia?”.

O ISAP é organizado pelo INESC TEC, com o apoio da FEUP, EDP Distribuição, IEEE Power & Energy Society e Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT).

O INESC TEC tem uma vasta experiência na área da energia, onde colabora com empresas como a EDP, EFACEC ou REN há cerca de 20 anos. Atualmente com 31 projetos nesta área, 9 deles europeus, a instituição tem contribuído de forma sistemática para colocar Portugal na linha da frente em assuntos como a mobilidade elétrica ou as cidades inteligentes através do seu Centro de Sistemas de Energia (CPES).

A área dos sistemas inteligentes é uma das apostas fortes do INESC TEC no seu plano estratégico até 2020, onde conta com o seu Laboratório de Inteligência Artificial e Apoio à Decisão (LIAAD) que tem cinco projetos importantes em execucação, um deles europeu.