U.Porto vence prémios da Sociedade Portuguesa de Cardiologia

Projetos foram desenvolvidos no Departamento de Fisiologia e Cirurgia Cardiotorácica da FMUP

Já é tradição. A Universidade do Porto, através da sua Faculdade e Medicina (FMUP) e da Faculdade de Desporto (FADEUP), arrecadou os quatro prémios científicos atribuídos este ano pela Sociedade Portuguesa de Cardiologia e anunciados  no último congresso desta sociedade científica, realizado entre 28 de abril e 1 de maio, em Vilamoura.

No total, o grande destaque vai para o Departamento de Fisiologia e Cirurgia Cardiotorácica da FMUP, onde os quatro estudos foram realizados sob a direção de Adelino Leite-Moreira, que angariou cerca de 20 mil euros, que serão agora reinvestidos na investigação científica promovida por este departamento. Parte do dinheiro será também investido na FADEUP, que participou num dos estudos premiados.

O Prémio Delta de Cardiopatia Isquémica distinguiu um trabalho que avaliou a ação de um novo modulador neurohumoral, a angiotensina 1-7, sobre amostras de artérias mamárias recolhida durante a cirurgia cardíaca. Este trabalho insere-se numa linha de investigação centrada na revascularização do miocárdio através da utilização destas artérias que apresentam características especiais. Note-se que as artérias mamárias não desenvolvem aterosclerose, devido à secreção de substância protetoras pelo endotélio, o que lhes permite protegerem-se a si e à circulação coronária onde são implantadas. Neste trabalho, foi também descrito um efeito benéfico do tratamento com estatinas nas propriedades biológicas das artérias mamárias.

Já o prémio Sanofi-Aventis em Cardiologia foi atribuído a um estudo na área da hipertensão pulmonar, que pretendeu caracterizar, no âmbito desta patologia, os efeitos sobre o ventrículo direito do bosentan, um inibidor da endotelina-1. O estudo foi realizado num modelo animal, tendo-se concluído que, além dos seus efeitos como vasodilatador pulmonar, promoveu uma melhoria significativa, até então desconhecida, da função ventricular direita, que poderá ser benéfica no tratamento de doentes com hipertensão pulmonar.

Um outro trabalho sobre estenose aórtica foi distinguido com o prémio Servier na Insuficiência Cardíaca – Investigação Clínica. O grupo de investigadores responsável pelo projeto pretendeu verificar porque é que o espessamento da parede do coração (que ocorre por ação de uma sobrecarga deste órgão) não regride em todos os doentes após a substituição da válvula aórtica, um facto que compromete a sobrevida deste importante subgrupo de doentes. Os pacientes foram estudados detalhadamente do ponto de vista clínico e da estrutura e função cardíaca antes, durante e após a cirurgia. A equipa de investigação concluiu que a hipertensão arterial mesmo tratada é um determinante independente da regressão incompleta da massa ventricular. Estudos laboratoriais subsequentes de amostras de sangue e músculo cardíaco destes doentes permitiu ainda caracterizar alguns dos mecanismos moleculares subjacentes.

Já o Servier na Insuficiência Cardíaca – Investigação Básica premiou um estudo liderado por Daniel Gonçalves, estudante de pós-doutoramento da Faculdade de Desporto da U.Porto (FADEUP) que colabora com o Departamento de Fisiologia e Cirurgia Cardiotorácica da FMUP. Centrado na avaliação dos efeitos do exercício físico nos doentes com insuficiência cardíaca (problema que acompanha a hipertensão pulmonar), este estudo realizado num modelo animal teve como alvo a ação do exercício antes, durante e após a instalação da doença. A equipa de investigação, que inclui também cientistas da Universidade de Aveiro, concluiu que em qualquer das circunstâncias o exercício físico apresenta benefícios.

De referir ainda o o Prémio de Melhor Cartaz atribuído a mais um trabalho resultante da parceria entre a FADEUP e o Departamento de Fisiologia e Cirurgia Cardiotorácica. O poster distinguido tem com o título O exercício físico atenua a hipertrofia ventricular direita secundária à hipertensão pulmonar através da modulação da survivina.

A lista completa de prémios/autores pode ser consultada aqui.

  • Maria Irene Barros

    Parabéns aos investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto. Obrigada pelo vosso trabalho que também pode ser útil para mim.