FEUP põe em prática acordo para captar mais estudantes brasileiros

(foto: Creative Commons/ Pixabay)

O termo de reciprocidade entra em vigor a partir de 1 de maio (foto: Creative Commons/ Pixabay)

Na senda da campanha de captação de estudantes brasileiros lançada recentemente pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), acaba de ser aprovada uma nova medida que poderá facilitar a vinda de mais estudantes internacionais para a U.Porto.

Além da FEUP aceitar os resultados do ENEM nas candidaturas aos primeiros ciclos de estudo e de oferecer incentivos financeiros a estudantes do Brasil com base no mérito,  a partir de 1 de maio de 2016 entra em vigor o termo de reciprocidade estabelecido entre a Ordem dos Engenheiros (OE) e o Conselho Federal de Engenharia e Agronomia do Brasil (CONFEA), que prevê a mobilidade de profissionais engenheiros entre o Brasil e Portugal.

E em que se traduz exatamente este avanço? Basicamente, o trânsito de engenheiros entre Brasil e Portugal fica mais facilitado e passam a ser reconhecidos em ambos os países. Este acordo baseia-se no princípio de total reciprocidade, tendo em consideração as competências profissionais reconhecidas pelas duas Associações Profissionais (OE e CONFEA) e, portanto, sem atender ao reconhecimento prévio das respetivas habilitações académicas.

O acordo aplica-se a profissionais graduados que tenham frequentado, no mínimo, 3.600 horas no Brasil e tenham cinco anos de estudos em Portugal. De notar que os engenheiros portugueses admitidos no Sistema Confea/Crea mantêm todas as atribuições profissionais concedidas pela OE de Portugal, do mesmo modo que os profissionais brasileiros admitidos na OE de Portugal como membros efetivos, mantêm todas as atribuições profissionais concedidas pelo Sistema Confea/Crea. Para aceder ao termo de reciprocidade clique aqui.

Por outro lado, os Engenheiros graduados pela FEUP que necessitem do Reconhecimento de Diploma para trabalhar no Brasil podem solicitar esse reconhecimento oficial junto da Escola Politécnica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Para tal, devem ser membros efetivos da Ordem dos Engenheiros (OE) de Portugal, conforme deliberação presente na Resolução apresentada pela Escola Politécnica UFRJ.

Este acordo abrange um conjunto de cursos de 15 instituições académicas portuguesas e 14 brasileiras. Aceda aqui a mais informações sobre o acordo, assim como os procedimentos para o reconhecimento no Brasil.

As pré-candidaturas aos cursos de gradução estão abertas até ao próximo dia 31 de maio, e podem ser acedidas através de www.fe.up.pt/brasil, onde se encontram também depoimentos de atuais estudantes brasileiros na FEUP, informações sobre o Porto e Portugal, custo de vida e redes sociais, entre outros conteúdos que facilitam a integração dos estudantes brasileiros nas terras lusas.

  • Andrea Azevedo Freitas

    Será que a UP poderia dar uma revisão nos critérios da revalidação do diploma de Enfermagem? No momento são solicitadas 4600 a 4800 (!) h de curso, enquanto que no Brasil, em horário integral, um histórico escolar de uma universidade federal aponta 3700 h. Assim fica impossível dar a equivalência de diplomas.