FEUP desenvolve ferramenta inovadora de combate aos fogos florestais

A nova ferramenta vai permitir a gestão do incêndio através da sensorização remota. (Foto: DR)

É uma das catástrofes ambientais do nosso século e todos os anos dizimam milhares de hectares de floresta: só em 2017, em Portugal, dados oficiais apontam para 540 mil hectares de área ardida na sequência dos incêndios florestais.

A pensar nisso, uma equipa de investigadores do Laboratório de Sistemas e Tecnologias Subaquáticas (LSTS) da Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), em colaboração com a Universidade de Vigo (UVigo) e o Laboratoire d’analyse et d’architecture des Systèmes (LAAS-CNRS) da Universidade de Toulouse, está a desenvolver uma ferramenta inovadora com o objetivo de aumentar o poder e qualidade de decisão em situações de catástrofe das forças de intervenção. Como? Através da conjugação dos sistemas autónomos com comunicações satélite, que vai permitir a gestão do incêndio através da sensorização remota: a nova ferramenta vai, assim, fornecer informações – em tempo quase real – sobre o perímetro de fogo, imagens infravermelho (IR) de UAVs e comunicação satélite. Adicionalmente irá gerar mapas com informação sobre os incêndios em várias escalas e com diferentes detalhes (em tempo real, histórico, mapeamento de fogo, a previsão da propagação do fogo, etc).

Denominado FIRE-RS (Wildland FIRE Remote Sensing), o projeto serve como prova de conceito e aposta na sinergia de diferentes tecnologias como uma forma eficaz de combate e gestão de incêndios. “É composto por vários ativos com alta operacionalidade, incluindo sensores terrestres, um satélite completo dedicado (uma constelação no futuro), uma estação de controlo terrestre local e remota, um controlo de missão /payload, e um UAV (ou um grupo de UAVs)”, esclarece António Sérgio Ferreira, investigador do LSTS da FEUP. Outra mais-valia importante é o facto de o sistema ser aberto a soluções externas.

Para testar e demonstrar as potencialidades desta nova ferramenta, estão previstos três testes de campo, nos países envolvidos no projeto. A demonstração em Portugal está agendada para o próximo dia 23 de maio, no aeródromo da LIPA (Santo Tirso), a partir das 12h00, e envolve um veículo aéreo não tripulado e um satélite que os investigadores têm em órbita.

Com duração de três anos e um financiamento de 2 milhões de euros, este projeto europeu assume uma importância enorme no panorama nacional na medida em que tenta aliviar o esforço do elemento humano no processo de operação e aumenta as capacidades de monitorização e previsão no combate às chamas.

Mais informações em http://www.fire-rs.com/en/