FEUP debate os desafios da Engenharia em Moçambique

Vista aérea de Maputo (Foto: DR)

Está a decorrer, de 4 a 8 de setembro, em Maputo, Moçambique, o 8º Congresso Luso-Moçambicano de Engenharia (CLME). A iniciativa é organizada em conjunto pela Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP), Faculdade de Engenharia da Universidade Eduardo Mondlane (FEUEM) e pelas Ordens dos Engenheiros de Portugal e de Moçambique, e pretende juntar engenheiros, docentes e especialistas de ambos os países em engenharia e áreas adjacentes para uma troca de ideias e de boas práticas.

Contando com o alto patrocínio do Secretariado da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), o congresso vai abordar, entre outros, temas como o ensino da Engenharia, Recursos Hídricos, Obras Públicas e Reabilitação Urbana, Transportes e Infraestruturas, Geotecnia, Automação, Informática, Gestão Industrial, Tecnologias do Mar e Inovação e Empreendedorismo, contando com a participação de especialistas em cada uma das diferentes áreas.

Os quatro dias de iniciativa vão oferecer vários painéis temáticos, dinamizados por especialistas e responsáveis políticos sobre temas estratégicos da engenharia moderna, com especial interesse para Moçambique, Portugal e outros países da CPLP. Haverá também comunicações individuais em sessões paralelas e sob a forma de posters e visitas.

Joaquim Silva Gomes, Professor Catedrático da FEUP e  coordenador da 8ª Edição do CLME chama atenção para as vantagens associadas à realização de um evento que junta dois países da CPLP em torno da área da engenharia: “Moçambique tem atualmente um crescimento anual da ordem dos 10% e é hoje um dos países que desperta maior interesses de investimento em África, designadamente em infraestruturas de transportes, obras públicas, infraestruturas ferro-portuárias, exploração de gás natural e petróleo.  Os investimentos previstos para os próximos anos são da ordem de muitas dezenas de milhares de milhões de euros e, em todos aqueles setores, os engenheiros e as escolas e empresas de engenharia portugueses poderão vir a desempenhar um papel crucial”.

Também o bastonário da Ordem dos Engenheiros de Moçambique, Ibraimo Remane, reforça a importância deste tipo de iniciativas enquanto instrumentos para reforçar a parceria entre Portugal e Moçambique, com especial destaque para o domínio da educação : “o nosso objetivo é nivelar a qualidade dos estudantes e isso passa pela cooperação com outros países e pela relação com as universidades no país”.

O evento está a decorrer nas instalações do Hotel VIP Grand Maputo. O programa detalhado do evento pode ser consultado aqui.