FEUP debate formas para combater a contaminação de superfícies nos hospitais

foto_2_300_200Vai decorrer esta sexta-feira, dia 25 de novembro, na Sala de Atos da Faculdade de Engenharia da U.Porto (FEUP), uma jornada técnica dedicada à temática do controlo da contaminação de superficies em ambiente hospitalar. A iniciativa conjunta da Associação de Técnicos de Engenharia Hospitalar Portugueses (ATEHP) e da Comissão de Ligação à Indústria da FEUP pretende discutir as conclusões de investigadores que trabalham o comportamento de ligas metálicas, iões metálicos e óxidos, apresentando ainda um caso prático de aplicação de ligas de cobre antimicrobianas num hospital.

Desde a década de 70 que as organizações governamentais têm acompanhado a problemática das infeções associadas aos cuidados de saúde e têm vindo a divulgar uma série de recomendações no sentido de conter as infeções e prevenir a sua transmissão. Há estudos científicos que comprovam a estreita ligação entre o ambiente hospitalar e as infeções provocadas pelas superficies inanimadas, capazes de abrigar micro-organismos de importância epidemiológica.

Nos EUA, mais de 70% das bactérias isoladas nos hospitais são resistentes a pelo menos um antibiótico habitualmente utilizado no tratamento da infeção. Estima-se que as Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde (IACS) causem, por ano, aproximadamente 1,7 milhões de infecções, sendo responsáveis por 99 mil mortes. Na Europa, segundo dados dos Inquéritos de Prevalência de Infecção (IPI) a prevalência das IACS oscila entre 5% e 10%. Em Portugal, e segundo dados realizados em 2003 e 2009, esta taxa oscila entre 8% e 10%, respectivamente.

Estudar a contribuição do ambiente hospitalar na transmissão de patógenos revela-se, assim, fundamental. Estes e outros temas vão estar em discussão na FEUP, durante uma jornada técnica em que serão apresentados materiais de revestimento com propriedades antimicrobianas, fazendo-se uma síntese das soluções existentes no mercado e do estado da investigação. Atendendo a que as mãos são o meio principal de transmissão da infeção, por contacto com superfícies contaminadas, é sobre estas superfícies que grande parte da atenção da engenharia da saúde se concentra, procurando-se revestimentos ou tratamentos de superfícies com características bacteriostáticas ou bactericidas.

Com esta Jornada Técnica, pretende-se sobretudo discutir as conclusões de investigadores que trabalham sobre o comportamento de ligas metálicas, iões metálicos e óxidos, discutir resultados e possibilidades de aplicação e apresentar um caso prático de aplicação de ligas de cobre antimicrobianas num hospital.

O principal objetivo desta sessão que vai acontecer na Faculdade de Engenharia passa por contribuir para o esclarecimento da importância de aplicação do conhecimento atual à tecnologia dos matérias de construção e de revestimento de superfícies, aplicáveis nas instalações e equipamentos de saúde, como meio para o controlo e redução eficaz da contaminação de superfície.