Europa chega a Marte com a ajuda de startup da U.Porto

As proteções térmicas da ExoMars foram produzidas na sala limpa da empresa, localizada no UPTEC. (FOto: DR)

As proteções térmicas da ExoMars foram produzidas na sala limpa da empresa, localizada no UPTEC. (Foto: DR)

O relógio marcava as 13h42 quando a sonda europeia ExoMars iniciou esta quarta-feira, 19 de outubro, o processo de aterragem na superfície de Marte. Para este momento histórico contribuiu em muito a HPS, uma empresa portuguesa sediada no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto (UPTEC) e responsável pelo desenvolvimento das proteções térmicas integradas no Schiaparelli, o módulo que está prestes a começar a sua aventura de exploração no «Planeta Vermelho».

O projeto, que começou em 2012, contou com a participação da HPS em todas as fases do projeto, desde o desenho preliminar, passando pelos testes de qualificação, e culminando na integração do hardware no satélite.

Por se tratar de uma missão que chega ao solo de outro planeta foram necessárias precauções extremas para não haver contaminação biológica da Terra em Marte. Por esse motivo, todas as proteções térmicas foram produzidas na sala limpa da HPS, localizada no UPTEC, em níveis elevadíssimos de limpeza e sujeitas a esterilização.

“Foram necessárias várias horas de desenvolvimento e testes para assegurar os exigentes ambientes da missão. Nesta missão foi necessário assegurar que os vários equipamentos estavam protegidos das temperaturas muito baixas durante a viagem Terra-Marte, bem como das muito altas durante as manobras de entrada e pousar no planeta Marte”, afirma Celeste Pereira, COO – Chief Operating Officer.

O lançamento da sonda europeia foi feito com sucesso no dia 14 de março de 2016 e a viagem durou cerca de sete meses. A indústria europeia chega assim pela primeira vez a Marte, contando com o contributo tecnológico da HPS.