Estudantes da U.Porto entre os melhores da European Innovation Academy

24 estudantes da U.Porto participaram na edição de 2019 da European Innovation Academy. (Foto: DR)

Durante três semanas (14 de julho a 2 de agosto), mais de 500 estudantes vindos de todas as partes do mundo passaram por Cascais para participar em mais uma edição da European Innovation Academy. No último dia, e depois de uma jornada intensiva de aprendizagem, workshops e trabalho em equipa para acelerar ideias de negócio, 10 ideias foram premiadas pelo júri. Três delas contaram com o contributo de estudantes da Universidade do Porto.

Com apenas 19 anos, Daniel Cardoso ajudou a pensar o modelo de negócio para a GroupPay, uma app para pagamentos em grupo que permite fixar o montante de despesa pretendido e cada elemento pagar a sua parte através de um cartão virtual. Depois, esse cartão é usado num pagamento único. “Já chega de relembrar amigos para nos pagarem de volta ou de esperar, numa fila, a nossa vez de pagar”, salienta o estudante da Faculdade de Direito da U.Porto (FDUP).

Para Daniel, a participação na EIA 2019 resultou numa “experiência muito desafiante”, onde o espírito de aprendizagem e learn by doing foram constantes, bem como o estímulo ao trabalho em equipas interdisciplinares: “O que percebemos ao longo das três semanas é que temos de confiar no trabalho de quem está connosco se quisermos chegar longe. Para concluir um puzzle não basta destreza e orientação. Precisamos das peças todas e uma equipa é fundamental para o sucesso ou insucesso de uma startup”, conta.

Rodrigo Valdoleiros, estudante da Faculdade de Medicina Dentária da U.Porto (FMDUP), é da mesma opinião: “Cada elemento completava a equipa à sua maneira. Foi uma experiência muito enriquecedora que nos ajudou a conhecer melhor o verdadeiro processo porque os empreendedores passam nas startups”. Biotimix é o nome da ideia que ajudou a desenvolver. Trata-se de um dispositivo que permite a criação de órgãos com recurso a impressões 3D, com o objetivo de diminuir a taxa de rejeição.

“A nossa visão passa por tentar eliminar a lista de dadores. A impressão 3D será feita através das células dos pacientes, especialmente para se adequar, de forma natural, ao seu organismo. Queremos devolver a tecnologia de modo a facilitar a bioimpressão de tecidos 3D mais complexos”, explica.

Por fim, mas não por último, falemos de SafeSeat, uma cadeira de criança para bicicletas equipada com um airbag instantâneo que abre em caso de queda. Renata Zampollo, da Faculdade de Letras da U.Porto (FLUP), descreve a experiência na EIA como “estimulante, cansativa e muito gratificante”, tendo a melhor parte sido “a aprendizagem no trabalho em equipa”.

Os prémios conquistados pela SafeSeat incluem uma campanha de lançamento de produto e apoio num pedido provisório de patente.

“Grande valia para uma vida inteira”

Ao todo, foram 24 os estudantes da U.Porto que participaram na edição de 2019 desta Summer School internacional, com o apoio do Santander Universidades. Representando praticamente todas as faculdades da Universidade, os estudantes  tiveram oportunidade de imergir no programa e aprender com especialistas de Silicon Valley, Berkeley, e até mesmo da gigante Google.

“É com muita satisfação que voltámos a associar-nos à European Innovation Academy, com o apoio do Santander Universidades. Depois de três semanas intensivas de aprendizagem e trabalho em equipa, ficamos muito orgulhosos por verificar que, uma vez mais, as ideias dos estudantes da U. Porto integram o top 10 das ideias selecionadas como mais promissoras”, destaca Hélder Vasconcelos, vice-reitor da U.Porto para as Relações com empresas, inovação e empreendedorismo.

Entre os estudantes, Vitor Borba nunca pensou que “dedicar desta forma as férias fosse tão proveitoso e de grande valia para uma vida inteira”. Já Diogo Cunha afirma recomendar “vivamente a experiência a qualquer aluno, independentemente da sua área de estudos”.

Ao todo foram premiadas 10 equipas multidisciplinares, cujos prémios foram entregues na cerimónia no Centro de Congressos do Estoril. Entre as inovações encontra-se também uma aplicação móvel de ajuda aos cegos, dispositivos para melhorar painéis solares, uma aplicação para cuidar das abelhas, uma solução que pretende limpar o lixo de plástico e reutilizá-lo para o uso diário, entre outras.

A edição de 2019 da European Innovation Academy contou com uma participação recorde de 500 estudantes, 130 dos quais com uma bolsa do Santander Universidades. Além dos estudantes da U.Porto, outros dois estudantes portugueses subiram ao pódio.