Estudante da FEP quer realizar os sonhos de crianças refugiadas

Vera Morgado, Playground Love

A venda de lápis alusivos ao projeto foi uma das estratégias definidas por Vera Morgado para financiar o “Playground Love”. (Foto: DR)

O projeto para a instalação de um parque de diversões num campo de refugiados na Turquia, da autoria de Vera Morgado, estudante do Mestrado de Finanças e Fiscalidade da Faculdade de Economia da Universidade do Porto (FEP), venceu a primeira edição do impACTO, um concurso promovido pela Gap Year Portugal, que desafiou centenas de estudantes portugueses a desenvolverem um projeto de empreendedorismo social numa comunidade estrangeira carenciada.

“Playground Love”. Assim se chama o projeto que Vera Morgado idealizou com a ajuda de uma amiga e do namorado e que vai implementar já a partir de agosto no Mardin Refugee Camp, localizado no leste da Turquia, a 20 quilómetros da fonteira com a Síria. Desenvolvido em parceria com uma escola de circo – Art Anywhere (Refugee Kids Are Circus Heroes) -, este parque vai permitir que as crianças que habitam o campo tenham acesso a brinquedos didáticos e lúdicos e a um espaço feito por eles, abstraindo-se desta forma da sua condição de refugiados.

Entre os espaços idealizados para este “recreio de uma infância recuperada” inclui-se uma zona outdoor composta por várias diversões inspiradas nos três “Unfairy Tales” (“Contos que não são de fadas”)  da UNICEF, e que incluem um balancé em forma de barco, um baloiço com almofadas às bolas e um campo de futebol. A esta acresce uma zona indoor (tenda ou contentor) com brinquedos didáticos, livros, quadros de ardósia, puzzles, legos, exposições de projetos e um espaço para representação com fantoches. As crianças serão ainda envolvidas na criação de um mural inspiracional em que palavras como “amizade” “esperança”, “sonhos” ou “sorriso” surgirão em várias línguas.

Para Vera Morgado, que conta já com várias experiências anteriores de voluntariado, o grande objetivo passa por ajudar as crianças refugiadas a “acreditar que podem ser o que quiserem “.”A minha ideia com o parque é criar uma espécie de safe zone, onde só entrem crianças e alegria, pois se puderem brincar, serão felizes, e se forem felizes, sonharão. Sem limites. Porque ser criança é sonhar sem limites. Ou devia. E ser grande também!”, refere.

Para desenvolver o projeto, a estudante definiu um orçamento de 6 mil euros, 4.900 dos quais foram garantidos através da vitória no impACTO. O restante resultará da venda de 2000 lápis de três cores – correspondentes a cada “Unfairy Tale” – que podem ser adquiridos em vários spots no Porto e em Braga. “Se conseguir vender os lápis todos, conseguirei levar mais coisas, como por exemplo aquecedores para a escola, material circense, brinquedos para as crianças de Mardin, que também não têm”, nota Vera Morgado.

O “Playground Love” foi um dos três projetos distinguidos na primeira edição do impACTO, que abrangeu mais de 20 estabelecimentos do Ensino Superior. Os outros dois projetos que garantiram um financiamento total de 10.400 euros foram apresentados por estudantes da Universidade da Beira Interior e da Universidade de Coimbra.

A final do concurso decorreu no passado dia 24 de junho, em Lisboa, ocasião em que os 11 finalistas tiveram a oportunidade de “vender” os seus projetos de cariz social a um painel de 10 Social Angels, num formato inspirado no “Shark Tank”. Entre o grupo de potenciais investidores estiveram nomes como Rita Nabeiro, Carlos Torres, Chairman da Resul, Engenheiro Paulo Figueiredo, administrador do Banco BIG, ou ainda Miguel Alves Martins, Presidente do Instituto do Empreendedorismo Social.