Smartphones dão espetáculo na Casa da Música

abel

A app a.bel já está disponível na Google Play Store e na Apple Store.

São por norma indesejados mas, e se por uma vez, os smartphones fossem os protagonistas principais de um grande espetáculo musical? A ideia partiu do INESC TEC e vai concretizar-se no próximo dia 26 de outubro, a partir das 21h30, na Sala Suggia da Casa da Música, palco escolhido para receber a estreia mundial de “a.bel – Nova Música Interactiva”, um concerto em que os artistas vão partilhar o protagonismo da peça com o público e os seus dispositivos móveis.

Ao logo de uma noite, mais  de mil pessoas serão convidadas a juntar os seus smartphones a saxofones, percussão e instrumentos eletrónicos num concerto que pretende ser uma celebração do impacto da tecnologia na música. A rede de centenas de smartphones e as capacidades audiovisuais de cada um deles vão ser exploradas como forma de aproximar o público dos intérpretes.

Para que o público possa atuar com o seu smartphone foi desenvolvida uma aplicação móvel gratuita para Android e iOS chamada app a.bel, já disponível na Google Play Store e na Apple Store.

“Esta aplicação fornece, por um lado aos artistas e aos programadores, uma forma de testar e distribuir conteúdos criados para media interativos e, por outro para o utilizador final, uma maneira de participar de forma transparente em atuações ao vivo”, afirma o compositor Rui Penha, investigador do INESC TEC, docente da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto (FEUP) e um dos organizadores do concerto.

Para que o concerto tenha sucesso é necessário que os espectadores levem os seus smartphones com as baterias carregadas no dia 26 de outubro e com a app a.bel descarregada. À entrada da Sala Suggia o dispositivo deve ser colocado em modo voo e conectado à rede wi-fi específica fornecida pelo INESC TEC e pela Casa da Música. Dentro da Sala a assistência tem que garantir que o lugar que ocupa corresponde ao lugar marcado no bilhete. Depois é necessário selecionar apenas clicar na opção “go!” para que o smartphone se ligue à rede.

“Ao contrário do que acontece noutros espetáculos, queremos que o público mantenha o som do telemóvel ligado e o use para agir ativamente no concerto. Também ao contrário do que é usual, queremos que o telemóvel não seja aqui um elemento que interfira com a atenção do seu utilizador, mas antes que una todos os intervenientes numa experiência de partilha coletiva”, explica o investigador.

Entre as maiores inovações desta tecnologia estão a possibilidade de conectar um grande número de dispositivos num ambiente fechado com robustez de localização e sincronização, o desenvolvimento de uma plataforma para produção em tempo real e a interatividade entre o público e os artistas num concerto através do uso de smartphones.

As obras do concerto vão ser interpretadas por André Dias, na percussão, Gilberto Bernandes, no saxofone e o Digitópia Collective, a plataforma artística da Casa da Música reservada à criação musical em suporte tecnológico. A autoria das obras que vão ser apresentadas pertencem a Carlos Guedes (INESC TEC e New York University em Abu Dhabi), José Alberto Gomes (Casa da Música), Neil Leonard (Berklee College of Music, Boston USA) e Rui Penha (INESC TEC e FEUP), que também vão interpretar algumas peças.

Os bilhetes para o “a.bel – Nova Música Interactiva” também já estão disponíveis para compra na Casa da Música e locais habituais, com um custo de 10 euros.

Este concerto é um dos eventos de comemoração do trigésimo aniversário do INESC TEC e conta com o apoio da NOS, Huawei e Pingpost como parceiros tecnológicos.