Escolas recebem 100 mil euros para combater alterações climáticas

alterações climáticas | CIBIO InBIO

Projeto da FLUP desafia as escolas a implementarem nas suas instalações propostas concretas de combate às alterações climáticas. (Foto: DR)

A Faculdade de Letras da Universidade do Porto (FLUP) vai acolher no próximo dia 2 de março a cerimónia de entrega de prémios do Concurso “Alterações climáticas”, uma iniciativa organizada pelo projeto Clima@EduMedia, sediado na FLUP, com o propósito de distinguir as melhores ideias de adaptação e/ou de mitigação das alterações climáticas apresentadas a concurso pelas escolas do 3.º ciclo e ensino secundário.

Com um valor total de 100 mil euros, os prémios estão divididos em três categorias: categoria A (Adaptação), categoria B (Mitigação) e categoria C (Alterações Climáticas). As escolas premiadas nas duas primeiras categorias vão receber cada uma 30.000 euros. A instituição vencedora do último grupo vai arrecadar 40.000 euros.

“Graças ao apoio monetário que vão receber, as escolas têm agora a hipótese de implementar nas suas instalações propostas concretas e consistentes de combate às alterações climáticas”, refere José Azevedo, Professor Associado da FLUP e coordenador do Clima@EduMedia.

A cerimónia de entrega dos prémios é aberta ao público e tem início às 14h30, no Anfiteatro Nobre da FLUP. A sessão vai contar com a presença da diretora da FLUP, Fernanda Ribeiro, de membros da Direção-Geral da Educação (DGE) e de representantes da Agência Portuguesa do Ambiente (APA).

A comunidade docente e académica é convidada a participar.

Sobre o Clima@EduMedia

O Clima@Edumedia é um projeto desenvolvido pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto ao abrigo do Programa “AdaPT – Adaptando Portugal às Alterações Climáticas”, com a missão de apoiar a educação nacional em matéria de mudanças climáticas, através do uso dos média.

O projeto está integrado no Programa AdaPT, gerido pela Agência Portuguesa do Ambiente, IP, enquanto gestora do Fundo Português de Carbono (FPC) e é cofinanciado pela Islândia, Liechtenstein e Noruega, através do Programa EEA Grants.