Diretora da FMUP vence prémio Dona Antónia Adelaide Ferreira

Maria Amélia Ferreira foi distinguida com o Prémio Dona Antónia Adelaide Ferreira.

Maria Amélia Ferreira, diretora e professora catedrática da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), acaba de vencer o Prémio Dona Antónia Adelaide Ferreira – galardão criado com o intuito de distinguir figuras femininas portuguesas pelas características humanas e capacidades de empreendedorismo. A escolha do júri recaiu sobre a médica e professora universitária por, ao longo da carreira, ter contribuído para o desenvolvimento económico, social e cultural do país, através de projetos de serviço público na área da saúde, educação e serviço social.

Na cerimónia de homenagem – que decorreu nas Caves Ferreira, em Vila Nova de Gaia – o júri e os descendentes de D. Antónia Ferreira distinguiram a diretora da FMUP com duas obras de arte da autoria de Mónica Bessa-Luís. Leonor Teles, a mais jovem realizadora a receber um Urso de Ouro no Festival de Cinema de Berlim, foi também homenageada durante a sessão com o prémio “Revelação”.

“É uma enorme honra receber um prémio que procura manter viva a memória de uma figura na qual me revejo e que, além de ter criado um legado muito importante, debatia há vários seculos algo que ainda debatemos hoje: o papel da mulher na sociedade.”, refere Maria Amélia Ferreira. “Vencer este prémio é, para além de uma recompensa, um estímulo enorme para continuar com o trabalho que desenvolvi até agora.”, acrescentou a diretora da FMUP.

Maria Amélia Ferreira licenciou-se em 1978 pela FMUP. Obteve o Doutoramento pela U.Porto em 1985, tendo ocupado o cargo de professora catedrática da FMUP em 1993. Depois de dirigir o Centro de Educação Médica da FMUP e de construir o Departamento de Educação e Simulação Médica, agora integrado no Departamento de Ciências da Saúde Pública e Forenses e Educação Médica, Maria Amélia Ferreira apresentou o projeto de reforma curricular do curso de Medicina da faculdade e, em 2014, assumiu o cargo de diretora da FMUP, tornando-se a primeira mulher a dirigir a instituição.

Fora da academia, assumiu, em 2012, uma missão de serviço à comunidade e de responsabilidade social como Provedora da Santa Casa da Misericórdia de Marco de Canaveses onde desenvolveu vários projetos multidisciplinares que visam combater a crise de socioeconómica.