“Cinco Séculos de Desenho” foi a melhor exposição de 2012

Exposição levou milhares de pessoas à FBAUP e ao MNSR, ao encontro da história do Desenho de alguns dos seus mais ilustres intérpretes.

A exposição “Cinco Séculos de Desenho na Coleção da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto”, que esteve patente na FBAUP e no Museu Nacional Soares dos Reis entre março e maio de 2012, no âmbito das comemorações do Centenário da U.Porto, venceu, ex-aequo com o Museu Nacional de Arte Contemporânea – Museu do Chiado, o Prémio de Melhor Exposição 2013 atribuído pela Associação Portuguesa de Museologia (APOM).

Resultado da reunião de mais de 300 peças pertencentes ao acervo da FBAUP, muitas das quais nunca antes expostas ao público, aquela que foi uma das mais valiosas e ambiciosas coleções artísticas alguma vez apresentadas por uma Escola portuguesa propôs um percurso único desde a Florença do Renascimento até ao Porto do século XXI. Tudo isto ao longo de três núcleos distribuídos pela FBAUP e pelo MNSR e tendo como fio condutor o desenho enquanto “disciplina nuclear” do ensino artístico na cidade.

No primeiro núcleo da exposição, patente no Museu da FBAUP de março a abril de 2012, os visitantes puderam conhecer vários desenhos italianos dos séculos XVI e XVII, com destaque para uma obra original de Leonardo da Vinci (A rapariga lavando os pés a uma criança, na foto). Ainda na FBAUP, foi possível desvendar os 232 anos de história do ensino artístico no Porto através dos desenhos da Academia, um conjunto de obras dos séculos XVIII e XIX assinadas por artistas como Francisco Vieira Portuense, Henrique Pousão e Acácio Lino.

"A rapariga lavando os pés a uma criança", obra original de Leonardo da Vinci pertencente ao acervo da FBAUP, foi um dos destaques da exposição.

O terceiro núcleo  da exposição comissariada por Francisco Laranjo (diretor da FBAUP) habitou as salas do Museu Nacional Soares dos Reis entre março e maio de 2012 e resultou da recolha de mais de 150 obras doadas especialmente para a exposição por artistas contemporâneos (séculos XX e XXI), todos eles ligados à Escola de Belas Artes do Porto. Integraram este núcleo nomes como Júlio Resende, Fernando Lanhas, Siza Vieira, Álvaro Lapa, António Quadros Ferreira, Nadir Afonso, Jorge Pinheiro, entre muitos outros.

Da lista dos premiados da APOM em 2013, em 24 categorias distintas, o grande destaque vai para a atribuição do galardão de Melhor Museu Português 2013 ao Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, e ao Museu do Ar, em Sintra. Nota também para a entrega do Melhor Projeto Internacional ao arquiteto e antigo professor da Faculdade de Arquitetura da U.Porto (FAUP), Álvaro Siza Vieira, “pelos projetos de arquitectura de museus que tem assinado pelo mundo, divulgando a arquitetura portuguesa”.

Criados em 1997, os prémios APOM têm como destinatários museus, projetos, profissionais e atividades desenvolvidas no setor, referentes ao ano anterior da atribuição. O objetivo passa por “incentivar o espírito de preservação e divulgação do património dos museus”.

A lista de premiados foi anunciada na passada sexta-feira no Museu das Comunicações, em Lisboa, na presença de representantes de dezenas de entidades nomeadas e galardoadas, e pela direção da APOM.