CIIMAR e SeaLife trazem mensagens do mar contra a “plastificação” dos oceanos

Em exibição em frente ao SeaLife, na Praça Gonçalves Zarco, a escultura  representa a vida marinha em risco de ser plastificada. (Foto: CIIMAR)

Numa iniciativa conjunta entre o Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR-UP) e o SeaLife, foi inaugurada esta quinta-feira, na Praça Gonçalves Zarco, uma escultura de grandes dimensões, composta por um grande cardume de mais de 800 peixes coloridos dentro de garrafas de plástico. Nelas estão contidas importantes mensagens criadas com a ajuda de centenas de alunos de escolas do Porto e Matosinhos, Maia e Vila da feira, a pedir para se salvar o Oceano da grave ameaça que constituem os plásticos.

Todos os dias ouvimos novas notícias preocupantes sobre o plástico que chega ao Oceano. Baleias que dão à costa com dezenas de quilos de plástico no estômago, plástico encontrado em grande quantidade no fundo do mar, microplástico encontrado no sal marinho e nos produtos do mar que ingerimos, milhões de animais marinhos mortos devido à ingestão de plástico. Estudos científicos calculam que mais de 8 milhões de toneladas de plástico chegam ao Oceano todos os anos, que existam já mais de 150 milhões de toneladas de plástico no Oceano e que em 2050 exista mais plástico no mar do que peixes. Todos estes números são dramáticos e a lista de notícias assustadoras podia continuar indefinidamente.

A escultura, que foi inicialmente produzida em 2016 pela ESAP (Escola Superior Artística do Porto) para a Campanha Ocean Action do CIIMAR, foi exibida em vários espácios públicos do Porto, Matosinhos e Gondomar, mas com o passar do tempo o plástico foi-se degradando de forma acentuada. Com a passagem da exposição itinerante “Mar de Plástico” pelo SeaLife surgiu então a ideia de reabilitar a obra, tendo que se substituir as mais de 800 garrafas e peixes.

Este foi um trabalho muito moroso, que contou com o apoio precioso de centenas de alunos e professores de escolas básicas, secundárias e Jardins de Infância do Porto, Matosinhos, Maia e Vila da Feira, que ajudaram a recolher as garrafas ou a cortar, escrever mensagens ou pintar os peixes.

José Teixeira, curador da exposição Mar de Plástico e coordenador da Campanha Ocean Action do CIIMAR, salienta a “importância de se conseguir recuperar esta escultura com o contributo de centenas de crianças e jovens, altamente motivados em ajudar a passar a mensagem que é urgente travar esta ameaça”.

Nas mensagens criadas pelos jovens podem ler-se vários pedidos para se salvar o Oceano, mas também conselhos práticos sobre como evitar o uso de plásticos descartáveis, reutilizar e reciclar todo o plástico, ou nunca deitar qualquer lixo para o chão ou para a sanita.

A escultura encontra-se em exibição em frente ao SeaLife na Praça Gonçalves Zarco, até 20 de setembro.