CIIMAR descobre que os animais marinhos são capazes de produzir Ómega-3

Os ácidos gordos do tipo ómega-3 são nutrientes essenciais para a saúde humana. (Foto: Line Bay).

Investigadores do Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR) da Universidade do Porto descobriram que várias espécies de animais como os corais e moluscos (como lapas e ameijoas) são capazes de contribuir para a produção de ómega-3, ácidos gordos essenciais para a saúde humana, nos ecossistemas marinhos.

O estudo publicado na revista Science Advances, demonstra pela primeira vez que “uma grande diversidade de espécies animais, tais como corais, rotíferos, moluscos, poliquetas e crustáceos, possuem os genes e enzimas, designados por dessaturases, capazes de garantir uma capacidade endógena de produção de ácidos gordos polinsaturados, tais como os Ómega-3”, revela Filipe Castro, investigador no CIIMAR.

Os investigadores analisaram de modo exaustivo inúmeros genomas de várias espécies animais e, surpreendentemente identificaram genes envolvidos na biossíntese de Ómega-3, tipicamente encontrados em microrganismos. “Este trabalho é um exemplo claro do poder de abordagens genómicas comparativas de larga escala para compreender padrões biológicos, com implicações relevantes nas áreas da saúde humana, biotecnologia e nutrição animal”, revela Miguel M. Fonseca, investigador no CIIMAR e um dos autores deste estudo.

Os resultados obtidos detêm também um grande impacto no modo como se compreende os ecossistemas aquáticos, em particular num contexto de alterações globais: “Dada a relevância ecológica e ocorrência significativa destas espécies animais na biomassa dos ecossistemas aquáticos – dos recifes de coral às fontes hidrotermais, a sua contribuição para a produção global de Ómega-3 será provavelmente muito relevante”, refere o investigador.

Este estudo envolveu uma equipa internacional de cientistas das Universidades de Stirling e St. Andrews na Escócia, do Conselho Superior de Investigação Cientifica em Espanha e da Universidade de Deakin e do Instituto Australiano de Ciências Marinhas na Austrália.