CIIMAR associa-se ao combate contra as infeções hospitalares

Os sistemas de saúde e o estado da arte na investigação científica nesta área vão estar em destaque nos três dias deste seminário internacional. (Foto: DR)

As infeções relacionadas com biofilmes hospitalares registam elevadas taxas de morbilidade a nível mundial.

O Centro Indisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR) é um dos parceiros do NOMORFILMNovel marine molecules against biofilm- Application to medical devices, um projeto financiado recentemente pelo programa Horizonte 2020 e que tem por objetivo descobrir novos compostos bioativos a partir de microalgas e cianobactérias, para aplicação no tratamento e profilaxia de infeções relacionadas com biofilmes hospitalares, em especial em cateteres e implantes ortopédicos. Este tipo de infeções hospitalares são um enorme problema de saúde não só na Europa assim como à escala mundial, com elevadas taxas de morbilidade.

A equipa de investigação do CIIMAR, liderada por Vítor Vasconcelos (professor catedrático na Faculdade de Ciências da U.Porto e diretor da equipa Biotecnologia Azul e Ecotoxicologia no CIIMAR) participará neste projeto através da utilização da coleção de culturas de cianobactérias (LEGE) que é composta por mais de 370 estirpes destes microrganismos de origem marinha e de água doce. Inscrita no World Federation of Culture Collections, esta é a maior coleção portuguesa de cianobactérias e serve de base para extração e elucidação química de moléculas bioativas com interesse farmacológico, mas também na nutraceutica, cosmética e na elaboração de tintas antivegetativas.

Diferentes estirpes de cianobactérias da coleção do CIIMAR

Diferentes estirpes de culturas de cianobactérias da coleção do CIIMAR serão analisadas no âmbito do projeto.

No âmbito do NOMORFILM, coordenado pelo Barcelona Centre for Internacional Health Research (CRESIB), serão testados compostos produzidos por microalgas e cianobactérias de três coleções importantes na Europa, CNRS (Roscoff, França), ACOI (Coimbra, Portugal ) e CIIMAR (Porto, Portugal), num total de 6800 estirpes . As substâncias bioativas serão isoladas e testadas em biofilmes de organismos patogénicos, sendo também determinado o seu mecanismo de ação. As substâncias eleitas serão incorporadas em nanopartículas e será otimizada a sua utilização nos implantes ortopédicos e cateteres.

Este projeto, que será lançado oficialmente a 16 de abril, no CRESIB, está incluído na linha de investigação do CIIMAR – Biotecnologia Marinha – que visa a valorização das aplicações biotecnológicas dos recursos marinhos.