CIIMAR alerta para fatores que podem inibir a reprodução dos peixes

Os peixes são especialmente afetados pelas alterações ambientais, dado que equalizam a sua temperatura interna com a do meio envolvente.

Descobrir de que forma o aumento da temperatura e a presença de hormonas nas massas de água pode afetar a reprodução do peixe-zebra é o objetivo do novo trabalho de Patricia Cardoso, investigadora no CIIMARCentro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto.

Patrícia Cardoso testou, pela primeira vez, o efeito conjugado do aumento da temperatura e do levonorgestrel – uma hormona usado essencialmente em contracetivos orais e terapêuticas hormonais de substituição (por exemplo utlizadas em pacientes com cancro) na maturação da gónada (órgãos sexuais) e reprodução do peixe-zebra.

Os resultados obtidos revelaram que o aumento de temperatura (+ 3 ºC) potenciou o efeito desta hormona conduzindo a um atraso na maturação das gónadas do peixe-zebra e inibindo a sua reprodução, mesmo para concentrações ambientais de levonorgestrel muito baixas (10 ng/L) .

“Estes dados sugerem que num cenário de aquecimento global e exposição a estas hormonas sintéticas, a reprodução do peixe-zebra pode ser ameaçada, o que pode pôr em risco o seu sucesso reprodutivo e por sua vez afetar a estrutura e funcionamento dos ecossistemas aquáticos associados”, revela Patricia Cardoso

Estas hormonas, que atuam como disruptores endócrinos (EDCs) – compostos que possuem um papel relevante na reprodução dos vertebrados – são provenientes dos esgotos das habitações e dos hospitais. “Embora sejam lançadas para o ambiente em concentrações muito baixas, os sistemas de tratamento de águas (ETARs) não são capazes de eliminar eficazmente estes compostos”, explica a investigadora do CIIMAR.

Durante o último século, o aquecimento global tem promovido o aumento da temperatura de várias massas de água. Patrícia Cardoso lembra por isso que “é de extrema importância realizar mais estudos que possam avaliar os efeitos interativos entre múltiplos fatores de stress (temperatura, CO2; contaminantes químicos, entre outros)”.