App criada na U.Porto vai ser internacionalizada

A app quer incentivar os pacientes a seguirem as recomendações clínicas e a terapêutica indicada para as suas doenças respiratórias obstrutivas crónicas, através de um jogo interativo.

Um grupo de investigadores do CINTESIS – Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) acaba de conquistar um financiamento de 50 mil euros para iniciar a internacionalização da INSPIRERS, aplicação que visa melhorar a adesão ao tratamento de doenças respiratórias como a asma.

Atribuído pelo projeto CódigoMais – iniciativa que conta com a participação da FMUP e cuja missão é impulsionar o desenvolvimento de um ecossistema de inovação na área da saúde entre a Galiza e o Norte de Portugal –, o financiamento permitirá criar e testar uma versão espanhola da app. Além das possibilidades de cooperação entre entidades dos dois mercados, deste modo, será possível avaliar o desempenho da INSPIRERS junto de pacientes que sofrem de patologias respiratórias na península ibérica.

A INSPIRERS nasce de uma parceria entre a MEDIDA (empresa spin-off U.Porto), o CINTESIS na FMUP e a empresa BloomIdea, contando com o apoio em Portugal da Mundipharma. A app quer incentivar os pacientes a seguirem as recomendações clínicas e a terapêutica indicada para as suas doenças respiratórias obstrutivas crónicas através de um jogo interativo. Para ganharem pontos, os utilizadores deverão aderir ao tratamento, algo que é verificado através de imagens tiradas ao contador de doses do inalador.

A falta de adesão à terapêutica é, atualmente, o grande problema nestas doenças porque aumenta o risco de agudizações e de hospitalizações”, explica o investigador João Fonseca, responsável pelo INSPIRERS, lembrando que se estima que mais de 50% dos doentes não façam a terapêutica como indicado.

Desenvolvido no âmbito do programa de Cooperação Transfronteiriça Interreg V-A España-Portugal (POCTEP), o CódigoMAIS conta com um orçamento de mais de 2 milhões de euros e tem como principal missão unir esforços entre os vários atores públicos e privados do sector da saúde para fomentar as capacidades e oportunidades. Além destes 50 mil euros, a Faculdade de Medicina da U.Porto receberá, no âmbito deste projeto, mais 135 mil euros destinados a impulsionar ideias e projetos na área da saúde.