Antigo diretor-geral do CERN visita a Faculdade de Ciências

Chris Llewellyn SmithO físico britânico Chris Llewellyn Smith, antigo diretor-geral do CERN (Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear) e atual responsável pelo Departamento de Pesquisa Energética da Universidade de Oxford, vai estar esta quinta-feira, 3 de novembro, na Faculdade de Ciências da Universidade de Porto (FCUP), onde dará uma palestra intitulada ‘Can Future Energy Needs be Met Sustainably?’.

Como é que as sociedade contemporâneas devem ligar com o aumento do consumo de energia a nível global? O que devemos fazer para reduzir a crescente poluição atmosférica? Estas são algumas questões que Llewellyn Smith vai abordar nesta passagem pela FCUP. Pelo meio, abordará os desafios técnicos, económicos e políticos que deverão ser abraçados de forma a garantir a sustentabilidade energética do planeta no futuro.

A visita de Chris Llewellyn Smith à FCUP enquadra-se na sua participação no Fórum do Futuro, onde participou em duas conversas moderadas por Orfeu Bertolami, professor catedrático do Departamento de Física e Astronomia da FCUP.

A palestra tem início às 14h30, no Auditório Ferreira da Silva, FCUP. A entrada é livre.

Sobre Chris Llewellyn Smith

Reconhecido pelo seu trabalho teórico na área da física das partículas, Sir Chris Llewellyn Smith (1942) é uma figura de referência internacional nos domínios da investigação e desenvolvimento de novas formas de energia. Para além da presidência do CERN, que assumiu entre 1994 e 1998 (período que coincidiu com o início da construção do inovador – como polémico – Grande Colisor de Hádrons, foi Presidente do Conselho do ITER, o mais importante programa de cooperação científica internacional depois da Estação Espacial Internacional (ISS), liderou o Comité Consultivo do programa Euratom in Fusion e foi reitor da University College London.

Ao longo da sua carreira, tem ainda servido em vários órgãos consultivos a nível nacional e internacional, incluindo o Conselho Consultivo do Primeiro Ministro britânico para a Ciência e Tecnlologia. Em 2015, recebeu a Medalha Real da Royal Society.