Alumna da U.Porto premiada pela Royal Society of Biology

Joana Moscoso

Joana Moscoso é uma das co-fundadoras da Native Scientist, uma empresa que tem como missão erradicar a exclusão social das comunidades bilíngues no Reino Unido. (Foto: DR)

A bióloga Joana Moscoso, antiga estudante da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto (FCUP), é a vencedora da edição deste ano do Established Researcher Prize, um galardão anual atribuído pela Royal Society of Biology (RSB) a investigadores a trabalhar no Reino Unido que se destaquem no domínio da comunicação de ciência, e cujo trabalho sirva para informar e inspirar o público para as temáticas científicas.

Em Londres desde 2009, Joana Moscoso, de 30 anos, divide o tempo entre o trabalho de investigação em microbiologia molecular no MRC Centre for Molecular Bacteriology and Infection do Imperial College London, onde é investigadora de pós-doutoramento, e a Native Scientist, uma empresa sem fins lucrativos que criou com outra cientista portuguesa radicada no Reino Unido (Tatiana Correia) com o objetivo de “erradicar a exclusão social das comunidades bilíngues no Reino Unido, promovendo a aprendizagem de línguas e de ciências em crianças e jovens através da interação com cientistas na sua língua materna”. Desde a sua criação, em 2012, a  Native Scientist levou a Ciência em português a mais de 1000 crianças portuguesas em Londres, contando para isso com o apoio de cerca de 50 cientistas portugueses ligados às áreas da Biologia, Física, Engenharia e Saúde.

Foi este percurso que “convenceu” o júri da Royal Society of Biology a escolher o nome da jovem investigadora portuguesa de um grupo de candidatos onde constavam cientistas bastante mais experientes. “Ficamos muito impressionados. A Joana é claramente um grande líder porque está a resolver problemas que ela detetou e a levar a ciência a uma audiência mais carenciada”, justificou Steve Cross, Engagement Fellow da Wellcome Trust, a segunda maior fundação de beneficência a nível mundial.

Já Joana Moscoso mostra-se “honrada” por “ver o meu esforço e dedicação reconhecidos não só pelos pais e professores, mas também pela comunidade científica. Estou certa de que vai incentivar mais cientistas a realizar ações no terreno”.

Volto sempre para casa com um sorriso quando faço este tipo de trabalho. Ter a oportunidade de partilhar com outros um pouco do trabalho que eu faço e conhecer novos pares  são duas das coisas que eu mais valorizo nestas ações”, remata a investigadora, que conta no currículo com distinções como o Microbiology Outreach Award da Society for General Microbiology (2014) ou o Award for Outstanding PhD student in Science Communication do Imperial College.

No valor de 1500 libras, o Estabilished Researcher Prize vai ser entregue durante a Cerimónia dos Prémios Anuais da Royal Society of Biology, que terá lugar a 15 de outubro, em Londres.

Sobre Joana Moscoso

Natural de Valença, Joana Moscoso ingressou na licenciatura de Biologia da FCUP em 2003. No último ano do curso parte para a Universidade de Umeå, na Suécia, onde realiza o  estágio final ao abrigo do programa Erasmus, durante seis meses. Começava aí um percurso internacional que, em 2008, teria como destino a Australian Natianal University, em Camberra (Austrália) e a possibilidade de desenvolver o último ano do projeto do mestrado em Biologia iniciado na FCUP. Já “com os olhos em Londres”, parte em 2009 parte para o Imperial College, onde completou o doutoramento (2013) e se mantém como investigadora especializada no estudo das bactérias.

Em paralelo com a atividade de investigação, Joana organiza regularmente eventos e atividades direcionadas para a divulgação científica no âmbito do MRC Centre for Molecular Bacteriology and Infection.A este junta-se o trabalho realizado na PARSUK,  uma rede de investigadores e estudantes portugueses no Reino Unido responsável pela dinamização de eventos como o LUSO, um encontro que tem como propósito incentivar a cooperação e o desenvolvimento da comunidade científica nacional nas mais diversas áreas de atuação.